Há teatro no AnimaPIX

0
23

A abertura do AnimaPIX é um teatro dedicado à família, para maiores de 10 anos. Depois de uma pausa de 2 anos, a digressão de couve rosa, morango amarelo volta, e é no palco do Auditório da Madalena que se apresenta, esta quarta-feira, 1 de dezembro, pelas 16h30. Não há bilhetes. Audiências devem comparecer uns minutos antes, para seguir as regras, em tempos de pandemia, e desfrutar desta obra aconselhada pelo Plano Nacional de Artes.

Em couve rosa, morango amarelo abordam-se questões relativas à identidade de género, bullying, orientação sexual, respeito pela forma única de cada um ser. Baralham-se conceitos, abanam-se “pré-conceitos”, questionam-se estereótipos como o de masculino e feminino. Com recurso a uma linguagem sensorial, metafórica, poética, através da expressividade do corpo, do contar de histórias, da manipulação de objectos e com uma boa dose de humor, cria-se um imaginário que vai ao encontro da sensibilidade do público juvenil.

Em couve rosa, morango amarelo existem duas realidades paralelas: o quotidiano de uma personagem desde o seu acordar de manhã até ao momento em que sai de casa para ir para a escola (mas até conseguir sair de casa, passa por uma grande indecisão quanto ao que vestir). Paralelamente há o lugar de análise da realidade, chamemos-lhe mesmo um laboratório de análise sociológica, biológica e científica. É o lugar da conferência, conferência que se vai desconstruindo cada vez mais até ao absurdo. Nesta conferência, para além de outras coisas, explica-se com rigor científico o fenómeno do aparecimento de maçãs azul turquesa e de peras cor-de-rosa numa árvore que produz 33 frutas diferentes! Neste lugar de laboratório, a biologia dos frutos e das flores faz-nos questionar a realidade humana, como se fizéssemos um zoom in e entrássemos no universo das frutas que nos leva metaforicamente ao nosso contexto. Estas duas realidades acabam mesmo por se tocar e misturar. Acabamos a rasgar de uma para a outra com um grito à originalidade de cada um!

AnimaPIX – o festival de animação na ilha do Pico, acontece de 1 a 5 de dezembro. FIlmes, curtas, livros, contos, atividades paralelas para crianças e teatro, preenche uma programação na Biblioteca Auditório da Madalena, e ainda no sábado, 4 de dezembro, pelas 10h30 no Museu do Vinho, o programa Dracontos, à sombra do dragoeiro, volta com quatro contadores de várias partes do mundo lusófono.

Fotografia: Alexandre Nobre

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO