Horta já tem núcleo do projeto “Dress a Girl Around the World”

0
116

“O projeto Dress a Girl Around the World é, sem dúvida, um projeto que nos enriquece e que marca toda a diferença no mundo em que vivemos”, afirmou José Leonardo Silva, Presidente da Câmara da Horta, na cerimónia de inauguração da sede deste projeto.
Na ocasião o Presidente da Câmara da Horta enalteceu o trabalho voluntário que se desenvolve na ilha do Faial através das diferentes instituições existentes. Destacou igualmente o empenho que Maria de Fátima Félix e Renée Amaral dedicaram a este projeto no sentido de o tornar uma realidade no nosso concelho.
O projeto Dress a Girl Around the World tem a sua sede no antigo Banco de Portugal e foi impulsionado por Maria de Fátima Félix, voluntária da ‘Dress a Girl’, e entusiasticamente acolhido por todos.
Este projeto consiste na concepção de vestidos destinados a meninas até aos 12 anos, residentes em comunidades pobres de qualquer país do mundo, sendo muitas vezes vítimas de agressão sexual. A principal missão do projeto fundado pela americana Rachel Eggum Cinader, em 2009, é precisamente proteger o corpo destas crianças, afastando assim os predadores sexuais.
Maria de Fátima explicou como é que as peças eram executadas, contendo cada uma uma etiqueta com o nome da associação, o que de acordo com o relato dos anciãos das aldeias apoiadas levou a uma redução muito significativa dos casos de pedofilia, pois os predadores, ao verem a insígnia da marca, achavam que as jovens eram protegidas por uma ONG e desistiam dos seus intentos.
A mentora local do projeto mencionou ainda que as vestes coloridas levam sempre num dos bolsos uma cuequinha, pois nos países de destino a roupa interior é considerada um luxo.
Ao todo já foram entregues mais de 27 mil vestidos e 11 mil calções em 23 países, dos cinco continentes, como Angola, Guiné Bissau, Quénia, Uganda, Gana, Nigéria, entre muitos outros, onde a pobreza afasta os sonhos e a violência é gritante. Lá, a esperança num futuro melhor pode começar nas suas mãos.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO