João Ponte afirma que a apicultura terá ainda melhores condições para se desenvolver no futuro

0
9
DR

O Secretário Regional da Agricultura e Florestas afirmou hoje, em Ponta Delgada, que o setor apícola terá ainda melhores condições para continuar a desenvolver-se no futuro, fruto do empenhamento dos apicultores, do bom estatuto sanitário que a Região tem e das medidas estratégicas que o Governo dos Açores tem vindo a tomar.

“No âmbito da proposta de alteração do programa POSEI para 2020, já enviada à Comissão Europeia, propusemos a criação de uma nova ajuda para os produtores de mel, o que dá um sinal político de reconhecimento da importância deste setor”, referiu João Ponte, à margem de uma reunião com a Direção da CASERMEL – Cooperativa de Apicultores e Sericicultores de São Miguel.

Para o governante, esta nova ajuda irá contribuir para a dinamização do setor, através da atribuição de um euro por quilo de mel comercializado, sendo atribuída uma majoração de 20% para o mel que for comercializado através de cooperativas ou organizações de produtores.

A apicultura, para além de ser uma fonte de rendimento, desempenha um papel muito importante para todo o setor agrícola, seja pelo contributo das abelhas enquanto polinizadoras naturais das culturas agrícolas, seja através da polinização do ecossistema e da manutenção da biodiversidade, tendo sido recentemente reconhecida pela Comissão Europeia que seis ilhas açorianas estão indemnes à ‘Varroa’.

Além de reforçar a visibilidade do mel dos Açores, João Ponte considerou que este apoio específico no âmbito do POSEI contribuirá para aumentar a segurança dos consumidores, já que apenas serão contemplados apoios para os produtores que cumpram os requisitos legais relativos às condições de funcionamento dos locais de extração e processamento de mel.

Por outro lado, o Secretário Regional da Agricultura e Florestas destacou que será implementado no próximo ano o Plano Estratégico para a Apicultura nos Açores, um documento que identifica um conjunto de aspetos a melhorar e apresenta medidas concretas de ação, contribuindo para uma maior valorização do mel que se produz nos Açores, para o aumento da produção e para a conquista de mais consumidores.

Este Plano, que contou com os contributos da CASERMEL, vai incidir sobre quatro grandes objetivos, nomeadamente a sanidade, o acompanhamento técnico, o fortalecimento do associativismo e a comercialização, com vista a tornar o setor ainda mais atrativo e rentável.

João Ponte afirmou ainda que o Governo Regional está a trabalhar com a CASERMEL no sentido de encontrar instalações transitórias e adequadas ao desenvolvimento da sua atividade, enquanto não se avança com a construção de raiz de uma melaria.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO