José Figueiredo CONDECORADO no Sal

0
12

José Figueiredo, Empresário mariense, é figura ainda muito conhecida na Horta, cidade que nos princípios do século passado já era o centro da pesca da Albacora/Atum.
É que foi deveras evidente a sua grande actividade em tão importante sector económico regional.
Pena foi, e já o escrevemos, que a sua vida terrena tenha sido demasiado curta, primeiramente para a família e depois para o Faial, ilha onde viveu sete anos desde a sua vinda de Cabo Verde em 1977.
Não deixou, pois, de nos causar satisfação a notícia de sua condecoração pela Câmara Municipal do Sal, a título póstuma, com a Insígnia Honorifica de Mérito Comercial. “Em apreço ao grande contributo dado para o desenvolvimento da Ilha e melhoria das condições e o bem-estar da sua gente”, lê-se no último período do respectivo texto que nos pôs ao corrente da justa distinção.
Não resistimos mesmo a transcrever outras passagens.
Como a Ilha tinha carências, “sobretudo na área dos transportes públicos e serviços, visionário e dotado de grande espirito empreendedor, José Tavares Figueiredo, em 1964, adquiriu uma camioneta e montou a sua própria empresa” e seguidamente estabeleceu “uma parceria com a companhia aérea SAA para o transporte das tripulações dos aviões no percurso Aeroporto – Hotel Morabaza.
Também “Colocou um dos autocarros da sua empresa a prestar serviço público na Ilha, ligando Espargos a Santa Maria, transportando sobretudo jovens estudantes para o externato, uma vez que, nessa época, não havia quem prestasse esse serviço à população”.
E terminamos com mais uma passagem: “Aquando da construção do Centro Paroquial de Espargos, José Tavares Figueiredo pôs uma das suas camionetas a transportar todo o material da construção como doação à Igreja”.
Tudo isto consequência de próspera actividade em terra e em especial no mar, esta iniciada com a compra da sua primeira embarcação “Maria Fernanda” e a pesca da lagosta, a que se seguiram outras, como Baía das Velas, Pérola de Nelva, Velas e Viviana.
Esta última com o nome de sua filha que, dada a impossibilidade da mãe, Dona Olga Wahnon Figueiredo, se deslocou para receber a merecida condecoração, do Município do Sal, cerimónia que teve a presença do Presidente da República e do General Chefe das Forças Armadas, além naturalmente dos Presidentes da Assembleia Municipal e da Câmara, e de numerosa assistência.

Rocha dos Bordões em limpeza
A 30 de Outubro, um grupo dos famosos Montanheiros, da Terceira, deu início a obras de limpeza da Rocha dos Bordões (duzentos), sita no concelho das Lajes das Flores e assaz conhecida do Corvo a Santa Maria .
Trata-se, como é assaz sabido, de uma das mais invulgares curiosidades construída pela natureza na ilha de hortênsias florida.
Mas parece ter terminado sua extraordlnária tarefa, já que terá começádo a deteriorar-se e a necessitar de limpeza que,.pela segunda vez, é feita pelos Montanheiros.
For sinal, já tinha tido o gosto de observar essa maravilha, mas da. estrada, agora pude vê-la de perto pela televisão açoriana, ficando naturalmente mais fascinado.
Por Isso, a nossa satisfação por saber que as entidades responsáveis quer de ilha quer regionais, estão atentas pela perseveração de tão lindo bem que Deus nos ofereceu.

Desopilando de vez em quando
Nos primeiros tempos do Estado Novo, com a Igreja a recuperar de bens perdidos, passou a circular em Lisboa, a anedota:
– O! Marquês desce daí, pois eles estão outra vez.
Agora, após a eleição de Outubro, ganha por “Portugal à frente”, um frustrado votante na coligação foi a Santa Comba Dão, e, ao chegar ao cemitério, exclama:
“O!” Salazar vem cá acima para do Costa o Coelho salvar.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO