Jovens faialenses debatem Absentismo Escolar na Assembleia Regional

0
10

 A Comissão de Protecção de Crianças e Jovens (CPCJ) da Horta debate-se diariamente com várias problemáticas que afectam os jovens do concelho. Dessas, as questões relacionadas com o absentismo e o abandono escolar são as mais preocupantes, na medida em que dizem respeito a cerca de metade dos processos activos que aquela instituição tem actualmente entre mãos. Por isso, o tema deu o mote à V Semana dos Direitos, organizada pela CPCJ no Faial. Este evento teve início há algumas semanas, com a presença do psiquiatra Daniel Sampaio no Faial para falar de bullying, uma das causas do absentismo escolar, e chegou ao fim no passado sábado, com um plenário jovem na Assembleia Legislativa Regional, que reuniu jovens de várias escolas da ilha para falar de Absentismo Escolar.

A primeira intervenção coube à directora regional da Educação e Formação, que alertou para o facto do abandono escolar significar uma “saída desqualificada” dos jovens. Graça Teixeira lembrou que os jovens deixam a escola frequentemente atraídos pelo mercado de trabalho, no entanto “chegam na sua maioria aos meios laborais sem qualquer qualificação profissional, reproduzindo, muitas vezes, o ciclo de pobreza não apenas económica, mas também de competências, de saber-fazer e de escolhas”.

Para a directora regional, é importante combater este flagelo que, apesar de estar a decrescer na Região, tem efeitos negativos. Uma das soluções, entende, passa por apostar em “vias diversificadas de formação que respondam à diversidade de perfis dos nossos alunos”.

 Graça Teixeira lembrou que o absentismo escolar está relacionado com outras problemáticas, como é o caso da negligência familiar, “que tem registado um aumento preocupante”, ou do consumo de drogas e álcool.

Também o presidente da Câmara Municipal da Horta marcou presença neste plenário jovem. João Castro congratulou-se com a presença dos jovens na Assembleia Regional que, desta forma, podem “usufruir do privilégio” que é a liberdade democrática instituída pelo 25 de Abril. Castro explicou aos jovens que a Assembleia Regional é o “local certo” para debater e reflectir sobre todas as problemáticas que afectam os açorianos.

Neste plenário jovem marcaram presenças alunos de todos os anos de escolaridade a partir do 4.º ano do ensino básico. A anteceder o debate, os jovens preparam várias apresentações sobre o tema, abordando as causas e as consequências do absentismo escolar, dando destaque, entre outras coisas, ao bullying.

 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO