Lara Martinho defende cooperação internacional entre o AIR Centre e Centro de Excelência da NATO

0
11
DR
DR

Lara Martinho, deputada do Partido Socialista dos Açores à Assembleia da República, participou na Conferência Internacional sobre Segurança Marítima, uma iniciativa da presidência portuguesa da União Europeia em parceria com a Agência Europeia de Segurança Marítima, na qual foram abordados temas relacionados com a cooperação internacional em segurança marítima; o Atlântico como caso de estudo neste contexto e a integração da segurança marítima na Bússola Estratégica da União Europeia.

“A segurança europeia está intimamente ligada à segurança marítima, e claro, também aqui, Portugal pode dar um contributo ímpar”, defendeu a deputada socialista que relembrou, na ocasião, que só o Golfo da Guiné representa mais de 90% de todos os ataques de pirataria à escala global, enquanto o Atlântico se assume, cada vez mais, como um espaço de competição geopolítica.

Nesse sentido, e no painel dedicado à cooperação internacional na segurança marítima, a parlamentar defendeu a possibilidade de cooperação entre o centro de excelência da NATO, o GEMEOTOC, e o AIR Centre, lembrando que, enquanto organização para o desenvolvimento do conhecimento nas interações atlânticas, este centro que se encontra sediado na Região, “permite-nos capitalizar a nossa excelência no domínio da segurança na zona do flanco sul”, abrindo ainda novas perspetivas no domínio da “segurança marítima, conhecimento do ambiente e dos oceanos”.

Assim, e questionando quanto à oportunidade da NATO Maritime GEOMETOC poder vir a cooperar com o AIR Centre, a vice-presidente do GPPS perguntou ainda de que forma poderá o Centro do Atlântico contribuir para se alcançar uma maior segurança marítima nos próximos dez anos.

“Se, é um facto que a operacionalização das Presenças Marítimas Coordenadas no Golfo da Guiné foi um passo importante, e que a abertura do Atlantic Center nos Açores poderá dar um contributo igualmente relevante, também é evidente que temos de fazer mais para afirmar a União Europeia enquanto ator de segurança marítima no Atlântico”, ressalvou Lara Martinho.

A parlamentar defendeu recentemente, que a “União Europeia tem de se focar na proteção das rotas marítimas de comunicação e dos bens comuns globais como os cabos submarinos ou os pipelines de energia”, assegurando nessa medida que a União Europeia “tem de ser um garante da segurança marítima!”

Assim, e referindo-se à cooperação em matéria de segurança marítima, a deputada questionou igualmente quanto ao número de países que já manifestaram interesse em integrar o Centro do Atlântico, bem como sobre quais os eventos que se encontram em preparação para se realizarem já este ano.

Na ocasião, o diretor da NATO GEOMETOC, Capitão Fernando Freitas, admitiu à parlamentar portuguesa que o centro possui autonomia para acordos técnicos com outras instituições, destacando assim a possibilidade de se discutir uma cooperação entre as duas, dado que o AIR Centre se encontra a trabalhar em áreas similares.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO