Novas Estratégias para a Aprendizagem da Matemática – 2.ª Edição

0
20

Decorrem desde o início do ano letivo de 2015/16, as oficinas de formação “Matemática Passo a Passo: Estratégias de Superação de Dificuldades para o 1.º Ciclo do Ensino Básico” e “Estratégias de Abordagem a Conteúdos Matemáticos no 2.º Ciclo do Ensino Básico”, numa parceria entre a Universidade dos Açores e a Secretaria Regional da Educação e Cultura do Governo dos Açores, no âmbito do Plano Integrado de Promoção do Sucesso Escolar, ProSucesso – Açores pela Educação. Nestas oficinas participam professores de todas as unidades orgânicas (agrupamentos de escolas) da Região que ministram o respetivo nível de ensino, 1.º ciclo ou 2.º ciclo.
Estas oficinas caraterizam-se por uma proximidade com o dia a dia da sala de aula e os seus princípios orientadores assentam em numerosos estudos provenientes das Neurociências Cognitivas, que explicam a forma como o nosso cérebro aprende Matemática, e em alguns casos de sucesso do ensino da Matemática no Mundo, como é o exemplo de Singapura.
Destacam-se alguns aspetos edificadores do currículo que estão a ser postos em prática nas escolas:
1) A abordagem Concreto>Pictórico>Abstrato (CPA), que remonta aos trabalhos do psicólogo americano Jerome Bruner;
2) Os princípios de variabilidade matemática e percetiva, do educador matemático húngaro Zoltán Dienes, que apontam para a exploração de conceitos segundo múltiplas representações e perspetivas;
3) O trabalho do psicólogo inglês Richard Skemp sobre a importância de se estabelecer conexões entre os diferentes temas matemáticos, de forma a promover uma compreensão conceptual desses temas e, consequentemente, um conhecimento profundo e duradouro das matérias.
Entre os dias 6 e 8 do próximo mês de março, decorrerá o evento “Novas Estratégias para a Aprendizagem da Matemática – 2.ª Edição”. Estarão reunidos no Campus de Ponta Delgada da Universidade dos Açores os cerca de 90 formandos inscritos nas duas oficinas, bem como a Equipa de Coordenação do Guia de Apoio ao Professor para o 1.º Ciclo do Ensino Básico e a Equipa de Formação e Acompanhamento Pedagógico de Docentes da Educação Básica. A Comissão Organizadora desta iniciativa é composta pelos três formadores das duas oficinas, Ana Paula Garrão, Margarida Raposo e Ricardo Cunha Teixeira, sendo este um evento com a chancela do Núcleo Interdisciplinar da Criança e do Adolescente (NICA) e da Pró-Reitoria para as Relações Externas e Extensão Cultural da Universidade dos Açores, contando ainda com o apoio do programa American Corner e da Secretaria Regional da Educação e Cultura do Governo dos Açores.
Marcarão presença nos 3 dias de formação, 6 a 8 de março, os professores convidados Doutor Richard Bisk (Worcester State University, EUA) e Doutor Carlos Pereira dos Santos (Centro de Análise Funcional, Estruturas Lineares e Aplicações da Universidade de Lisboa). O agradecimento devido a ambos os convidados pela partilha da sua experiência e do trabalho de elevada qualidade e pertinência que têm desenvolvido no âmbito da formação de professores e da aprendizagem da Matemática. Ao Professor Carlos Pereira dos Santos dirige-se um agradecimento especial pela estreita colaboração que tem mantido com as duas oficinas desde o seu arranque.
No dia 7 de março, pelas 16h00, decorrerá no Anf. VII da Universidade dos Açores a sessão plenária destinada a educadores, professores, encarregados de educação e público em geral. Depois da sessão de abertura, tomará a palavra o Dr. Richard Bisk que abordará, durante cerca de uma hora, a importância da compreensão conceptual dos temas e da fluência processual de competências básicas no contexto da aprendizagem da Matemática.
Devo também dirigir uma palavra de apreço aos meus formandos da oficina “Matemática Passo a Passo”, designados por Prof DA, cuja ação tem incidido neste ano letivo na superação de dificuldades a Matemática no 2.º ano de escolaridade, em estreita cooperação com os professores titulares. Devo destacar a dedicação dos Prof DA à implementação dos princípios orientadores da ação no terreno e ao excelente trabalho que têm desenvolvido, em articulação com os professores titulares, que já está a dar bons frutos. Sabemos que os resultados em educação levam tempo, mas não podemos deixar de destacar a redução na nota “Insuficiente” e o aumento da nota “Muito Bom”, resultados estes relativos ao 1.º período do presente ano letivo, em comparação com o ano letivo anterior. De salientar também a manutenção dos bons resultados no 1.º ano de escolaridade, contribuindo para isso a formação “Redefinir I” promovida pelos Prof DA e a disponibilização do “Guia de apoio ao professor do 1.º ano de escolaridade”.
Os casos de sucesso do ensino da Matemática no Mundo apresentam uma série de aspetos em comum. Um deles é a estreita ligação entre as escolas e as universidades e centros de investigação, num claro estímulo à investigação da prática do educador e do professor. Por um lado, é fundamental ter sempre presente a realidade diária da sala de aula. Por outro, é indispensável ter uma noção coerente de todo o edifício matemático e das implicações didáticas no contexto da aprendizagem da Matemática. Estamos convictos que esta colaboração entre a Universidade dos Açores e a Secretaria Regional da Educação e Cultura será profícua e cada vez mais promotora do sucesso escolar, permitindo estabelecer um marco definitivo entre o passado e o futuro na forma como se encara a aprendizagem da Matemática nos primeiros anos de escolaridade na Região Autónoma dos Açores.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO