Novo executivo deve construir circular à Vila da Madalena com verbas que o PS/Açores assegurou no Plano de Recuperação

0
23
DR/PS
DR/PS

“O Governo do Partido Socialista definiu a construção da circular à Vila da
Madalena como uma das prioridades de investimentos a considerar, na
estratégia e Plano de Recuperação e Resiliência”, lembra Miguel Costa,
defendendo que o novo executivo não tem, por isso, desculpas para adiar uma
obra tão importante para a ilha do Pico, que não foi possível executar antes por
culpa do Governo do PSD na República.
O deputado do Grupo Parlamentar do PS/Açores recorda que “os Governos do
Partido Socialista, sinalizaram a necessidade de se construir uma Circular à
Vila da Madalena garantindo, simultaneamente, um acesso rápido a
infraestruturas e serviços essenciais, como o Centro de Saúde da Madalena,
Porto da Madalena e Aeroporto do Pico”. No entanto, quando o anterior
Governo da República do PSD decidiu excluir esse tipo de intervenção dos
apoios comunitários, a obra teve de ser adiada.
Agora, acrescenta o deputado do PS/Pico, a intervenção pode desde já
avançar, “considerando que em tempo oportuno e em boa hora o Partido
Socialista assegurou as verbas que vão ser atribuídas à Região e uma vez que
todo o trabalho prévio está feito pelo anterior Governo, como seja “os
levantamentos topográficos, a identificação do traçado, projeto e a identificação
de terrenos a ocupar, bem como a aquisição de algumas parcelas essenciais
para garantir que a obra avance”.
Para os deputados do PS eleitos pela Ilha do Pico, “a construção da variante à
Vila da Madalena deve ficar assegurada no Plano e Orçamento de 2021,
garantido que está, finalmente, o financiamento para a mesma, com a inscrição
no Plano de Recuperação e Resiliência assegurada pelo Governo dos Açores
do PS”
Miguel Costa realça que “a construção da variante foi uma proposta
considerada no manifesto do Partido Socialista, nas eleições de outubro
passado” e que face à “votação clara e inequívoca da maioria dos picarotos”,
os deputados eleitos têm a obrigação de “propor e assegurar a execução das
propostas devidamente sufragadas”.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO