Obrigado pela sua atenção…….Até um dia.

0
366
TI
TI

Tudo tem o seu fim.
E hoje para mim é o cortar da meta. Comecei a 01 de maio de 2017 e acabo hoje, 11 de dezembro de 2020. Foram 43 meses e 11 dias ao leme de um barco que me venderam como fácil de gerir, mas que, logo no primeiro dia em que entrei naquela sala do jornal, me apercebi que assim não seria.
No entanto, tal como os meus pais me ensinaram, compromisso assumido terá que ser obrigatoriamente compromisso a cumprir, custe o que custar, quer seja aqui, no nosso emprego ou na nossa vida pessoal. E foi precisamente por este ditame que me segui.
É claro que, nos primeiros dias, houve quem decidisse abandonar o barco, pensando que este se iria afundar, tantos eram os buracos. Felizmente, estavam errados. Consegui, com a ajuda da Susana Garcia e da Flávia Taibo, primeiro, e, depois, do Eduardo Martinez, tapar os buracos e começar a construir algo.
Neste tempo, fomos arranjando o barco, pintando-o, colocando umas velas e um motor novo, aperfeiçoando-o para que se pudesse aguentar no mar, por vezes tumultuoso, que rodeia a nossa bela ilha.
Mesmo quando vimos, ao longo destes anos, o Município patrocinar o outro órgão de comunicação social escrita da ilha com constantes páginas de publicidade e o Tribuna das Ilhas esquecido, isso só serviu para nos dar ainda mais força, onde ela muitas vezes já não existia, para cerrarmos os dentes e os punhos e dizer para nós mesmos que iriamos conseguir.
Ou quando fui alvo de “linchamento” nas redes sociais, porque tinha ofendido “os supostos donos disto tudo”, sempre no uso da nossa liberdade de imprensa e do direito à informação, muitos me deram a mão para continuar, sem me desviar da linha traçada pelos fundadores deste jornal e em respeito absoluto pelo nosso Estatuto Editorial.
Houve sempre alguém que acreditou em nós – os nossos leitores – e foi graças a eles que conseguimos estabilizar as finanças da Cooperativa, criar um novo layout para o jornal, digitalizar o acervo patrimonial do jornal, encadernar todas as edições do Tribuna desde o seu número um, recuperar o seu prestigio e credibilidade junto da população, construir um novo “site” adaptado à nova realidade tecnológica e, sobretudo, dar condições dignas de trabalho aos nossos colaboradores.
Acreditem, é difícil escrever estas últimas linhas, pois dei, demos todos, a este jornal uma parte da minha (nossa) vida. Foram horas, dias, fins de semana, férias, sem nunca parar para cumprir com todos aqueles que semanalmente leem o Tribuna das Ilhas.
Por isso, tenho que agradecer com muito amor, em primeiro lugar, à minha família, especialmente às minhas filhas Mariana e Carolina pela paciência que tiveram comigo, pelo tempo que perderam de estar com o seu pai, mas a quem nunca abandonaram e sempre apoiaram.
Agradeço aos meus colegas de administração, aos órgãos sociais, aos nossos leitores, assinantes, anunciantes, enfim, a todos, sem exceção, que nunca hesitaram em nos ajudar e que permitiram construir um novo barco, mais moderno e robusto.
É com tristeza que me despeço, mas, ao mesmo tempo, com o sentimento do dever cumprido, de ter contribuído para tornar melhor a sociedade faialense e com a firme certeza de que o próximo diretor não deixará de prosseguir o legado existente.
Resta-me, por fim, deixar-vos um abraço do tamanho deste mar que nos banha e……..até um dia.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO