O centenário PETER e o trintão “Sortes à Ventura”

0
29
TI

TI

1. Recordo-me da primeira vez que entrei no “PETER”. Corria o ano de 1999, mais concretamente o mês de agosto, e tinha vindo de férias de verão com a minha namorada e atual esposa. Após aterrarmos, o primeiro local onde me levou foi precisamente ao “PETER” Café Sport.
Estranhei, não conhecia, mas depois de entrar e de ver a decoração existente no teto e nas paredes, constituída por dezenas e dezenas de bandeiras de iates, apercebi-me que este era um café diferente de todos os outros que já tinha visto, este era um café do mundo.
Lembro-me de, nessa tarde, ter visto à entrada, sentado numa cadeira, um senhor já de alguma idade e com enormes patilhas, como que a fazer lembrar os antigos marinheiros. É o “PETER” disseram-me. Dirigi-me a ele e cumprimentei-o, com um enorme aperto de mão, dizendo-lhe que era um prazer conhecê-lo. Agradeceu.
Perguntei-lhe se era esse o seu nome ao que me respondeu que se chamava José Azevedo, e que o nome “Peter” lhe tinha sido dado por um oficial chefe do serviço de munições e manutenção do navio “Lusitânia II” da Royal Navy, que, reconhecendo-lhe semelhanças com o seu filho de nome Peter, o passou a chamar de Peter.
Sentámo-nos e quando ia a pedir uma bebida a minha esposa sugeriu um gin, pois ir ao “PETER” Café Sport e não beber um gin tónico é o mesmo que ir a Roma e não ver o Papa. E que, associado a esse gin, teríamos que provar uma fatia de bolo de chocolate coberta de creme. Aí compreendi porque é que em 1986, a revista Newsweek o considerou como um dos melhores bares do mundo.
As minhas primeiras memórias, tal como provavelmente as de muitas pessoas que todos os anos visitam o “PETER”, são precisamente do gin tónico e, os mais gulosos, do bolo de chocolate.
Há uns dias atrás, como é hábito de qualquer faialense, ao passar na Rua José Azevedo (Rua do Peter) deparei-me com a rua completamente engalanada de bandeiras dos iates, oferecidas ao “PETER” Café Sport ao longo dos anos. Pensei que é importante este tipo de iniciativa que cativam e atraem o visitante, apesar de todos sabermos que este local é conhecido nos quatro cantos do mundo e que os iatistas que atracam na nossa marina fazem dele a sua “segunda casa”.
Soube, então, que o “PETER” Café Sport está a celebrar neste ano a bonita idade de 100 anos de existência. Uma verdadeira história de sucesso e longevidade, prosseguida atualmente pelo filho José Henrique, que tem levado o nome do Faial e da cidade da Horta além-fronteiras.
Sem me alongar acerca da história deste mítico café, pois essa será, penso eu, abordada no livro a lançar sobre o “PETER” Café Sport, não posso deixar de referir, a propósito das comemorações do centenário, a celebração do aniversário de José Azevedo “PETER”, no dia 18 de maio e a exposição fotográfica sobre o “PETER” Café Sport no início do mês de agosto.
Pela importância que tem esta data, o Tribuna das Ilhas dá os parabéns ao “PETER” e associa-se a essa comemoração centenária.
2. Muito mais novo, mas deveras relevante ao nível cultural e educacional, celebra trinta anos de vida ininterrupta o Teatro “Sortes à Ventura”, da Escola Secundária Manuel de Arriaga.
Uma data nobre para um trajeto que, desde há muitos anos, tem ao seu leme o Prof. Victor Rui Dores, não fosse o “Auto da Barca do Inferno” a peça ensaiada para ser apresentada este ano no Dia da Escola, a comemorar no próximo dia 15 de maio.
Esta forma de arte e de aprendizagem continua hoje a cativar muitos alunos, graças à tenacidade e ao conhecimento de Victor Rui Dores, um Graciosense das letras e das artes.
Sem dúvida que o Faial e a ESMA têm que se sentir privilegiados por terem, de entre os seus pares, uma pessoa com esta enorme capacidade intelectual. À ESMA, ao Teatro “Sortes à Ventura” e ao Prof. Victor Rui Dores desejamos as maiores felicidades.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO