Orçamento da Região para 2019 – Líder Parlamentar do PS diz que os Orçamentos beneficiaram a vida dos Açorianos

0
17
DR/GPPS/Açores

DR/GPPS/Açores

O Presidente do Grupo Parlamentar do PS/Açores André Bradford considerou que a concretização de planos anteriores elaborados por governos do Partido Socialista, trouxeram benefícios para a vida dos açorianos e que isso mesmo “está à vista” e faz diferença na vida das pessoas”. 

Esta conclusão foi expressa no final de uma ronda de reuniões e visitas realizadas para preparação do debate do Plano e Orçamento para o ano de 2019.
Para André Bradford “muitas vezes os debates sobre o Plano e Orçamento são marcados por uma grande oposição político-partidária e por disputas, e as pessoas ficam com a ideia de que, o que se está a discutir não é relevante para as suas vidas”.
No entanto, como fez questão de salientar o Líder Parlamentar em vésperas do debate sobre o Orçamento dos Açores para 2019, depois das iniciativas realizadas, em áreas como a Saúde, o Emprego, o Turismo, as Políticas Sociais e a Educação, “há um conjunto de investimentos que vão sendo concretizados”.
A importância da primeira creche em Água de Pau, freguesia onde foi criado o primeiro centro de atividades de tempos livres inclusivo de São Miguel, as melhorias no Lar Luís Soares de Sousa, que recentemente aumentou a sua capacidade de oferta, os miradouros que estão a ser requalificados, foram alguns dos exemplos referidos pelo líder parlamentar.
Em resposta aqueles que criticam as obras, André Bradford recordou que há projetos “que precisam do cimento para ser feitos, entendendo que a reprodutividade desse tipo de investimentos públicos não deve ser medida por uma folha de cálculo, mas sim pelos “efeitos positivos” que trazem a médio prazo para as comunidades, como por exemplo, “na escolarização e na evolução sociocultural”.
Para o Grupo Parlamentar do PS, conforme refere André Bradford, o Plano e Orçamento de 2019 é “o documento é sempre um documento em aberto e, portanto, estamos disponíveis para o diálogo interpartidário como sempre estivemos – não houve um ano nesta legislatura, e em legislatura anteriores, que não tivéssemos aprovado propostas de alteração da oposição”.
Refere, ainda, que, como acontece todos os anos, o Grupo Parlamentar vai dar os seus contributos para melhorar o Plano e Orçamento, nomeadamente quanto à qualificação e segurança no emprego.
André Bradford admitiu que a abertura para o diálogo tem tido resultados positivos com alguma oposição, mas não com toda.
“Não temos sido acompanhados pelo maior partido da oposição que, ainda antes de se começar o debate do Plano e Orçamento em Plenário, já disse que vai votar contra”. O líder parlamentar considera que esta “recusa” antecipada traduz a pouca importância que têm as propostas do PSD, “porque se tivessem, se fossem relevantes”, o PSD estaria disponível para o diálogo e alteraria o seu sentido de voto. 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO