Parceiros regionais redefinem Plano de Ação do projeto ‘Ilhas de Inovação’

    0
    8
    DR/GACS
    DR/GACS

    A Diretora Regional dos Assuntos Europeus analisou hoje com os parceiros regionais a redefinição do Plano de Ação do projeto ‘Ilhas de Inovação’, para o adaptar a uma nova realidade criada pela pandemia, mantendo os seus pressupostos e objetivos.

    “O projeto ‘Ilhas de Inovação’ tem, desde 2017, promovido a criação de sinergias e práticas de diálogo estruturado sobre as questões de inovação, envolvendo a sociedade civil, as instituições públicas e privadas, o setor empresarial e os centros de saber e conhecimento”, disse Célia Azevedo, sublinhando que, até agora, estas práticas estiveram assentes na proximidade, mas terão agora, forçosamente, de se “reinventar e garantir outras e novas formas de promover a cooperação e o intercâmbio”.

    “Por toda a Europa os projetos de cooperação são confrontados com o facto de eventos, reuniões e todas as atividades previstas não poderem, nos últimos meses, nem poderão, nos próximos, realizar-se da forma como tinham sido idealizados”, frisou.

    Para Célia Azevedo, “este é o momento de mostrar que somos capazes de ser criativos e de desenvolver, ainda mais, os formatos digitais e expandir ferramentas e instrumentos de participação”.

    O Plano de Ação do projeto ‘Ilhas de Inovação’, aprovado na última reunião de parceiros regionais, em dezembro de 2019, que marcava o início da segunda fase deste projeto, de 2020 a 2121, assentava, em larga medida, na promoção de fóruns de discussão aberta, em formato descentralizado, e na realização de atividades e sessões formativas em todo o arquipélago.

    Na reunião de hoje, que decorreu por videoconferência, estiveram em análise outras formas de, em segurança para os participantes, fomentar o conhecimento e a proximidade de um projeto que tem particularmente em conta as áreas identificadas na Estratégia de Especialização Inteligente (RIS3 Açores), que são Pescas e Mar, Agricultura, Pecuária e Agroindústria e Turismo, e que se inscreve no quadro de uma estratégia regional para a inovação.

    A Diretora Regional adiantou que algumas das opções consideradas, de modo a introduzir a necessária flexibilidade ao Plano de Ação do projeto, foram reuniões virtuais e fóruns de discussão online, destinados a “potenciar a partilha de exemplos de inovação em cada uma das nove ilhas, a disseminar informação e a promover a troca de contactos entre tecido empresarial e academia, com vista a futuras sinergias e projetos”.

    No encontro de hoje foram ainda apresentadas as atividades desenvolvidas no último semestre no âmbito do ‘Ilhas de Inovação’, um projeto do programa INTERREG Europa que conta com a participação de sete regiões, nomeadamente Açores e Madeira, Frísia (Países Baixos), Comunidade Urbana do Norte de Basse-Terre, na Guadalupe (França), Samso (Dinamarca), Kuressaare (Estónia) e Região do Egeu do Norte (Grécia), centrando-se nas oportunidades de diversificação das economias das regiões insulares parceiras, através da melhoria das suas políticas de inovação.

    O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO