Parque Natural do Faial está de parabéns

0
3

O Parque Natural do Faial foi nos últimos anos uma lufada de ar fresco, diria refrescante, jovem e inovadora, uma aposta ganha pelo Governo Regional dos Açores, com resultados significativos ao nível da conservação e proteção das espécies, mas também na promoção turística, sendo mesmo uma alavanca importantíssima para a promoção dos Açores e das ilhas do Triângulo.

A criação do Parque e o seu ordenamento trouxe incentivo às empresas de animação turística, através da criação do programa o Parque é Parceiro, criou oportunidade de emprego e de trabalho para as micro e médias empresas de construção civil (carpinteiros, pintores, empresas de jardinagem), de serviços, com pequenas obras de relevante significado como a recuperação da Levada, recuperação da Casa dos Botes do Capelo, criação de novos circuitos pedestres, o ordenamento do perímetro da Caldeira, recuperação de pequenos abrigos, a criação de sinalética apropriada, o ordenamento do Monte da Guia e dos Charcos de Pedro Miguel, entre muitas outras ações.

O Governo Regional fez uma boa aposta nos Parques Naturais de ilha, criou um instrumento de grande alcance, visão e valia para a região, pese embora nos últimos tempos julgamos se tenha notado um retrocesso e uma mudança de filosofia, que tememos não traga bons resultados no futuro, estando refém da falta de liderança e descentralização por ilha que estava acontecendo com êxito.

O Faial tem sabido capitalizar a mais-valia do seu Parque Natural, através da sua equipa. Só desta forma foi possível conquistar o prémio EDEN, primeiro destino de excelência da Europa, um prémio de elevado valor e que advém de apenas critérios diretos, sem ser necessário investir uns milhares de euros para se conquistar uma distinção ou publicar um anúncio, numa revista da especialidade, para que se promova um determinado destino.

É com satisfação que vemos instituições públicas a funcionar bem, é com agrado que um conjunto de estruturas trabalha em rede e com um único objetivo; a Ecoteca do Faial, o Centro da Interpretação do Vulcão dos Capelinhos, o Jardim Botânico, e mais recentemente a Casa dos Dabney e o Aquário de Porto Pim.

Muitas tem sido as publicações nacionais e internacionais e televisões por todo o mundo que tem dado destaque ao Parque Natural do Faial (PNF), pela sua abrangência e papel aglutinador, não tanto como entidade administrativa mas como exemplo de boa gestão partilhada por Governo, operadores turísticos, ambientalistas, criando oportunidades e desta forma trazendo fluxos turísticos para o Triângulo, não só pela mais-valia natural mas também através de eventos internacionais e de relevo como é o AZORES TRAIL RUN e outros promovidos anualmente.

A equipa do PNF está novamente de parabéns pelo seu esforço e pelo belíssimo trabalho que tem desenvolvido, onde a recente doação de uma das maiores coleções de orquídeas do mundo ao Jardim Botânico do Faial é o reconhecimento e a confiança em anos de trabalho, um bom sintoma e a garantia que a nossa terra trata bem o ambiente e que temos técnicos de elevada qualidade a trabalhar nesta área.

Apesar de tudo isto, e porque atravessamos tempos inquietantes, importa estar alerta, manter o empenho no trabalho, com os mesmo objetivos, pois aparentemente e pelo que se vê pelos órgãos de comunicação social estão em prática novas doutrinas e filosofias pelas áreas do Ambiente, encolhendo a visibilidade dos Parques Naturais e retirando-lhes a sua função aglutinadores que tão bons resultados tem dado.

 

 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO