DIA MUNDIAL DO ALEITAMENTO MATERNO: Compreendendo o Passado-Planeando o Futuro

0
12

“Amamentar não é somente uma escolha de estilo de vida, mas também de saúde, já que essa atitude protege tanto o bebé quanto a mãe!” 

                                                                                                                                                                                                Richard Shander

Compreendendo o Passado-Planeando o Futuro, eis o lema para as comemorações do Dia Mundial do Aleitamento Materno 2012, que se celebra anualmente no dia 1 de agosto e da Semana Mundial do Aleitamento Materno 2012 que decorrem em Portugal na primeira semana de outubro.

Em Portugal, e nos Açores em particular, à semelhança do que acontece noutros países, as estratégias de promoção do aleitamento materno parecem não ter sido bem-sucedidas, sendo que os resultados esperados pela OMS/UNICEF, não foram conseguidos. 

Para que tal aconteça, é imprescindível que as mães/famílias sejam orientadas e apoiadas de forma uniforme sobre as vantagens do Aleitamento Materno, como funciona a amamentação, a técnica da amamentação e as dificuldades que poderão surgir no seu decurso.

A amamentação é a melhor forma de alimentar bebés e crianças. O leite materno está adaptado às necessidades dos bebés até aos seis meses de idade, não sendo necessário qualquer outro tipo de alimento.

É frequente, quando abordamos as questões relacionadas com a amamentação, sermos confrontados com afirmações como  “…se eu tiver leite…se o meu leite for bom…se o leite não for fraco… se o bebé quiser mamar…”.

Temos o dever de desconstruir estas ideias e perceber os pressupostos subjacentes, através da escuta ativa e de outras formas de comunicação eficazes, pois sabemos que o sucesso ou insucesso da prática do aleitamento materno depende de crenças, valores e cultura das grávidas, mães, famílias e sociedade, e da orientação/ apoio que lhes é facultado durante a gravidez, pós parto imediato e todo o internamento, no regresso a casa, sobretudo nos primeiros quinze dias e enquanto decorre a amamentação. 

Para que tal aconteça, urge encetar esforços no sentido de criar uma Política Regional de Promoção da Amamentação. Sabemos que já foram efetuados alguns Cursos de Conselheiros em Amamentação, concebidos pela OMS/UNICEF, para profissionais de saúde e outras pessoas interessadas no assunto, ministrados por formadores da Associação SOS Amamentação, organizados pela DRS e Hospital da Horta, existindo já Conselheiras em Amamentação em vários Centros de Saúde e Hospitais dos Açores. 

Resultante das competencias adquiridas no Curso de Conselheiros promovido e realizado no Hospital da Horta EPE em 2008, com o apoio da DRS, e cuja iniciativa foi impulsionada por uma mãe lactante descontente com as práticas de amamentação vigentes, (re) conhecemos o trabalho desenvolvido, como a abertura do Cantinho da Amamentação e a criação do Núcleo SOS Amamentação da ilha do Faial, constituído por profissionais de saúde e voluntários com formação em Amamentação, que efetuam atendimento presencial e telefónico nos Grupos Central (Faial, Pico e São Jorge) e Ocidental) a todas as mães/famílias que necessitam de ajuda no seu projeto de amamentação.

Outras iniciativas foram surgindo, nomeadamente nas ilhas de São Miguel, Santa Maria e Terceira com a abertura de Cantinhos da Amamentação e uniformização de práticas, através da intervenção ativa de Conselheiros em Amamentação. 

Planeando o Futuro, entendemos fundamental adotar uma Cultura de Amamentação, que dê continuidade à formação de todos os profissionais de saúde que trabalham em Saúde Materno-Infantil e Juvenil e em Serviços de Pediatria, Neonatologia, Obstetrícia e Blocos de Partos, nomeadamente enfermeiros e médicos. Este projeto deveria ser integrado no Plano Regional de Saúde 2013/2016, no sentido de se elegerem atitudes, comportamentos e práticas uniformes na promoção e apoio à amamentação, em todas as instituições da RAA, de forma consciente e sustentada, em prol da promoção e proteção da saúde das nossas crianças.

 

 

*Enfermeira Especialista em Enfermagem de Saúde Materna e Obstétrica 

Conselheira em Amamentação 

Vogal do Conselho de Enfermagem