Picardias entre PSD e PS do Faial continuam

0
6

Desde dia 12 de maio que a convivência política entre os órgãos diretivos do PSD e do PS da ilha do Faial se encontra em “Estado de Sítio”.

Tudo começou com o desagrado demonstrado por Eduardo Pereira, presidente da Comissão Política de Ilha dos sociais democratas, perante o chumbo dos deputados municipais socialistas a um voto de protesto proposto pela sua força política, coligada com CDS-PP e PPM, na Assembleia Municipal a 30 de abril, “pelo impacto negativo que o novo modelo de transportes aéreos está já a ter e pelos riscos que se perspetivam possa causar na dinamização da gateway da Horta”.

No primeiro comunicado a CPI do PSD Faial adjetiva de “obediente e subordinado” o PS local,afirmando ser “certo” que o partido “tentou disfarçar esta vassalagem à estrutura regional do partido através da apresentação de um voto de recomendação, que consistia no ataque ao Governo da Republica e à TAP, e a defesa do Governo Regional e da SATA recomendando que estes últimos assegurem e cumpram apenas e somente o que se comprometeram”.

O PS não gostou nem do tom nem do conteúdo da comunicado social democrata e emitiu um outro, assinado por Luís Botelho, coordenador do Secretariado de Ilha dos socialistas, a recusar aceitar “lições de moral” de partidos como o PSD, acusando-os de nada terem feito para contrariar a atual situação advinda da entrada em vigor das novas Obrigações de Serviço Público (OSP’s), que levaram à diminuição do número de ligações diretas com Portugal Continental, e ao abandono da TAP à rota Lisboa-Horta-Lisboa e consequente domínio da SATA Internacional.

“A  TAP decidiu abandonar esta rota por opção própria, e é neste contexto que o PSD/Faial vem a público, mais uma vez, atirar areia à cara dos faialenses. Ora, a TAP é, desde 1945, uma empresa pública de transporte aéreo, cujo principal acionista é o Estado Português, ou seja, o Governo de Portugal. Esse mesmo acionista, o Governo de Portugal liderado pelo PSD de Pedro Passos Coelho, tomou a decisão política, contra a vontade da generalidade dos portugueses, de vender a TAP. Obviamente que a partir do momento em que uma empresa pública é vendida a privados, essa mesma empresa deixa de ser, em primeira instância, de serviço público, deixa de existir para servir os interesses de Portugal e das suas Regiões Autónomas” , frisou Luís Botelho.

Hoje, surge novo comunicado do PSD, seguindo uma lógica de resposta – contra resposta.

Eduardo Pereira diz não haver “nada mais falso” do que a visão socialista de que o PSD Faial teve uma postura de “inação” durante todo o processo.

A CPI do PSD Faial recordou que foi durante o segundo Governo de José Sócrates, em fevereiro de 2011, que se iniciou “avaliação pública prévia para a empresa TAP com vista à sua privatização” bem como a inclusão no memorando com a Troika uma cláusula onde constava “o Governo acelerará o programa de privatizações. O plano existente para o período que decorre até 2013 abrange transportes […] o Governo compromete-se a ir ainda mais longe (…) e tem a expectativa que as condições do mercado venham a permitir a venda (…) da TAP até final de 2011”.

“O que o PS do Faial não consegue é explicar o seu silêncio cúmplice perante a redução de voos para o Faial e apenas insistir em ver um lado do problema para não pôr em causa o Governo Regional”, afirmam os social democratas, acrescentando faltar justificação ao facto de se terem “curvado, mais uma vez, às ordens do Governo regional para apoiar a redução de voos para o Faial”.

A discussão promete continuar. PS mantêm a postura de culpabilização da TAP pela diminuição de ligações diretas entre Horta e Lisboa, decisão, supostamente, devida ao processo de privatização em curso que dizem ser da responsabilidade do executivo nacional de direita agora no poder; PSD culpa os órgãos socialistas locais, no poder na Câmara Municipal da Horta, pela postura pouco sólida na defesa da gateway da Horta e dos interesses dos faialenses perante Vasco Cordeiro, quer antes quer depois da SATA Internacional ter assumido a rota.

 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO