Plenário – Bloco concorda com aumento do subsídio de risco para forças de segurança e quer criar também subsídio de insularidade

0
34
blank

O Bloco de Esquerda concorda com o aumento do subsídio de risco para todos os elementos das forças de segurança e espera que a medida aprovada hoje no parlamento dos Açores por proposta do PAN seja também aprovada na Assembleia da República, para que possa entrar em vigor. Alexandra Manes lembrou que em breve será também discutida em plenário uma proposta do Bloco de Esquerda para a criação de um subsídio de insularidade para todos os elementos das forças de segurança que trabalham nos Açores.

A deputada do Bloco salientou que a criação do subsídio de insularidade proposto pelo Bloco é complementar à proposta hoje aprovada, porque pretende atribuir uma remuneração adicional aos elementos das forças de segurança que trabalhem nos Açores e na Madeira em relação aos seus colegas que trabalhem no continente.

O objetivo é, por um lado, contrariar a dificuldade em fixar elementos das forças de segurança nos Açores, e por outro lado reconhecer os custos acrescidos associados à condição de insularidade.

A proposta do Bloco pretende também acabar com o tratamento desigual que atualmente se verifica entre as várias forças de segurança, porque algumas já recebem este subsídio e outras não.

Ainda em análise em comissão, a proposta do Bloco define a atribuição de um subsídio no valor de 150 euros a todos os elementos de todas as forças de segurança que prestam serviço nos Açores: Polícia de Segurança Pública, Guarda Nacional Republicana, Polícia Judiciária, Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, Polícia Marítima e Corpo da Guarda Prisional.

Sobre a proposta em análise hoje no parlamento, que pretende aumentar o valor do subsídio de risco, a deputada Alexandra Manes salientou que “o desempenho das funções das forças de segurança expõe as e os seus profissionais a riscos e perigos eminentes, aos quais não podemos ser alheios” e lembrou que “nos últimos anos, o número de suicídios, dentro das forças de segurança, permite-nos perceber o nível de stress e ansiedade a que estas e estes profissionais se encontram expostos”.