Plenário: CHEGA condena ataque da Rússia à Ucrânia

0
23
DR/CHEGA
DR/CHEGA

CHEGA/Açores

O deputado José Pacheco acredita que “a liberdade, a democracia e a justiça” podem estar em causa na invasão da Ucrânia por parte da Rússia e apela ao diálogo como “a melhor arma que temos”.

Na sessão plenária que arrancou hoje na Horta, o deputado do CHEGA começou por dizer: “Tenho medo – dizia uma criança, pela mão da mãe, a fugir da Ucrânia. Eu também tenho medo tal como esta criança, todos temos medo desta guerra. Tenho medo que a democracia e a liberdade sejam colocadas em causa. Tenho medo pelo povo ucraniano, mas também pelo povo russo – que está a ser bombardeado na sua liberdade e na democracia, naquilo que acreditam e em que todos acreditamos nesta Assembleia”.

O parlamentar acredita que “é nossa função dar um grito de alerta ao mundo e dizer que o diálogo e a palavra são a melhor arma que temos. Infelizmente precisamos sempre de ser relembrados da pior forma”, referiu.

José Pacheco deixou também uma palavra de apreço ao povo açoriano “que tem demonstrado ser de uma grande generosidade”, mas lembrou que este conflito que já gerou milhares de refugiados e centenas de vítimas “não será breve”, apelando a que a generosidade se mantenha. Neste sentido, apelou também ao Presidente do Governo Regional dos Açores para que a Região seja solidária, “devendo dar um sinal à Humanidade que acreditamos na liberdade e na democracia, mas que também acreditamos nos valores da partilha, da fé, e de saber acudir a quem mais precisa”.

José Pacheco falava na apresentação de um projecto de resolução sobre o conflito na Ucrânia, subscrito por todos os Grupos e Representações Parlamentares, que condena veementemente a invasão das forças armadas russas à Ucrânia e que apela à “imediata retirada das tropas russas do território ucraniano” apoiando iniciativas que incentivem a paz. O mesmo projecto de resolução – aprovado por unanimidade – manifesta a solidariedade de todos os partidos “com os milhares de cidadãos russos detidos pelo regime de Putin”, assim como apela ao Governo dos Açores para “avaliar e concretizar a solidariedade com a Ucrânia, nomeadamente, através do envio de bens de primeira necessidade e no acolhimento de refugiados ucranianos”.

“O CHEGA grita bem alto pelo povo da Ucrânia e pelos povos que estão a sofrer”, declarou José Pacheco que pediu um minuto de silêncio pelas vítimas da guerra que se cumpriu após a aprovação do projecto de resolução.