Praia do Almoxarife comemora 1.º Dia da Freguesia

0
9

A Praia do Almoxarife comemorou, sexta-feira, o seu primeiro dia da freguesia. Um dia que pretende refletir e projetar ideias e desafios para a freguesia.

Neste primeiro ano, em que foram 3 individualidades e 1 instituição homenageadas, os discursos ficaram marcados pela critica à reforma autárquica que o Governo da República quer implementar no país.

 

A Junta de Freguesia da Praia do Almoxarife instituiu o seu Dia da Freguesia, data que passa a ser comemorada anualmente, de acordo com as deliberações da Assembleia de Freguesia, na sexta-feira que antecede os festejos do Santo Cristo de Maio.

Assim sendo, na passada sexta-feira, comemorou-se pela primeira vez esta efeméride, que ficou marcada pelas homenagens a Maria de Fátima Silva, Maria Teresinha Silva, Manuel Furtado Silva e à Sociedade Filarmónica Unânime Praiense.
Lúcio Rodrigues, presidente da junta de freguesia, dirigiu uma palavra de reconhecimento, em primeiro lugar aos praienses e de seguida a todos os ex-autarcas e membros das várias instituições que, “de uma forma desinteressada desempenharam as suas funções e levaram por diante vários projetos.”

“Só com pessoas é possível criar desenvolvimento e vida numa freguesia, quer seja rural, quer seja urbana” – sublinhou o presidente adiantando ainda que “nesta freguesia as pessoas são interessadas, gostam e têm prazer de colaborar nas iniciativas das instituições. O trabalho voluntário aqui não é um sacrifício, é uma honra”.

O presidente da junta da Praia do Almoxarife teceu, durante o seu discurso, algumas críticas à reforma autárquica que está a ser pensada para o nosso país. De acordo com Lúcio Rodrigues, “as juntas de freguesias não foram criadas por acaso, mas sim por uma necessidade de aproximação aos habitantes. Não se faz uma reforma autárquica reduzindo as freguesias sem critérios aceitáveis, usando a força em detrimento do debate, sem conseguir explicar o porquê dessas medidas, pois no aspeto economicista não é relevante no que ao Orçamento de Estado diz respeito, até porque todos nós sabemos que as juntas de freguesia protagonizam autênticos milagres com as verbas que têm disponíveis”.

O presidente da Assembleia de Freguesia, Jorge Dias, é de opinião de que este dia não deve ser igual aos restantes dias do ano, mas sim um dia que sirva de ponto de partida para uma maior interacção entre os praienses, “um dia em que à sua volta possamos criar dinâmicas que nos levem a refletir sobre nós próprios, sobre o que queremos para a nossa freguesia” – disse.

O vice-presidente da Câmara Municipal da Horta, na sua intervenção, também deu enfâse à reforma autárquica, classificando-a mesmo de um “atentado ao poder autárquico”.

José Leonardo Silva “as leis conseguidas a martelo e para proveito de alguns tem contribuído para o acréscimo das dificuldades no trabalho organizado das nossas autarquias, quando este poder deveria sim ser estimulado”.

Adiantou ainda que, “o Município da Horta tem tido a preocupação de promover uma maior aproximação às suas freguesias e a política de delegação de competências tem sido fundamental para que as freguesias consigam levar por diante os seus projetos”.  

Também João Bettencourt, diretor regional do Turismo, considerou que as “servir a sociedade é exactamente o que os autarcas de freguesia fazem, uma vez que as freguesias são um dos elementos mais identificadores da população”.

A presidir a esta sessão esteve a presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, Ana Luísa Luís que se dirigiu aos presentes alertando para os desafios que se colocam à administração autárquica no contexto atual.

“As funções atribuídas às freguesias correspondem a serviços assegurados aos cidadãos que recorrem ao poder mais próximo das suas residências para encontrar soluções rápidas, adequadas e personalizadas” – frisou, acrescentando ainda que “é preciso refletir sobre os possíveis modelos e as suas virtualidades no momento atual, em que as competências, o financiamento, a divisão administrativa, estão na mira de alterações legislativas que condicionam o funcionamento do poder local”.

A noite deste primeiro Dia de Freguesia da Praia do Almoxarife terminou com a atuação do Ensemble de Sopros da Sociedade Filarmónica Unânime Praiense.  

 

 

 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO