Produtos turísticos estratégicos para a Região Açores

0
2

Segundo o Plano Estratégico Nacional para o Turismo (PENT), bem como o Plano de Ordenamento Turístico da Região Autónoma dos Açores (POTRAA), definem como produto turístico estratégico e prioritário o Turismo de Natureza. Este baseia-se na exploração, cuidada e sustentável dos recursos naturais e ambientais existentes num dado território, espaço e/ou área. Sem dúvida que este é o produto que os Açores, enquanto destino turístico, deve dar continuidade na promoção e divulgação nos mercados externos; paisagens, montanhas, vulcões, fauna e flora, mar, rios e ribeiras, lagos e lagoas, entre outros, fazem dos Açores um destino apetecível para muitos dos apaixonados pela Natureza.

Além deste tipo de produto turístico, ambos os Planos referem que o Touring Cultural e Paisagístico, Turismo Náutico a par da Saúde e Bem-Estar e o Golfe, são os produtos que os Açores, enquanto destino turístico, devem potenciar e canalizar os investimentos a serem realizados.

Não pretendo, nem é o objectivo almejado, referir se concordo ou não com estes produtos, afirmo sim, que os Açores enquanto Região multifacetada, deve explorar e emancipar outros produtos que podem contribuir, positiva e exponencialmente, para a afirmação da Região enquanto destino turístico de excelência: considero que o Turismo Sénior, Gastronomia e Vinhos e o Turismo Desportivo devem ser explorados enquanto instrumentos de promoção e divulgação dos Açores a par dos restantes produtos. O Turismo Sénior é um nicho de mercado bastante abrangente e comum a todos os países, o que faz com que exista uma panóplia de mercados emissores e que devem ser explorados estrategicamente. Importa referir que este tipo de turismo é mais procurado durante a época com menos fluxos turísticos, o que pode contribuir para uma diminuição da taxa de sazonalidade que se faz sentir na indústria turística. No que respeita à Gastronomia e Vinhos, a Região possui verdadeiras condições para se afirmar enquanto destino de excelência no que respeita a este produto, não fosse já os reconhecidos e merecidos prémios nacionais e internacionais que comprovam a qualidade dos Nossos produtos endógenos. Por último, mas não menos importante, o Turismo Desportivo. Este produto define-se como sendo um elo de ligação entre os diversos pilares da indústria turística. Este tipo de turismo pode ser caracterizado por duas ópticas principais: o turismo de prática desportiva (TPD) e o turismo de espectáculo desportivo (TED). O Turismo Desportivo baseia-se na realização de eventos desportivos de média/grande dimensão, de cariz nacional e internacional: exemplo desse tipo de turismo é o Volvo Ocean Race. Como podem imaginar, o impacto que este evento repercutiu na cidade de Lisboa foi bastante animador: os agentes turísticos afirmam que a taxa de ocupação durante esse evento desportivo chegou aos 100%.

Os Açores possuem verdadeiras condições para se afirmarem enquanto destino turístico de excelência multifacetado: quer isto dizer, que a Região possui um conjunto de recursos endógenos que urge explorar, tornando-o como um destino concorrente entre os diversos mercados emergentes. Efectivamente, a definição de diversos produtos turísticos estratégicos e respectivos mercados emissores, faz com que a Região não fique dependente exclusivamente de um ou outro produto, podendo atrair turistas nacionais e internacionais durante todo o ano.

Claro está, que esta pré-definição não possui qualquer tipo de base científica e técnica, é apenas uma opinião fundamentada com planos estratégicos em vigor, possível e passível de verificar algumas lacunas, problematização de questões, interligação com a realidade, entre outros aspectos.

Importa referir e sublinhar, que a Região é um verdadeiro ex-líbris no que respeita aos produtos definidos por ambos os Planos, tendo sempre em linha de conta que o turista actual e futuro, segundo estudos académicos, procura viver uma experiência total e integrada, única e singular. Nós e a Região temos as condições para oferecer tal experiência.

 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO