Pela sua saúde: Emagrecimento, sete conselhos

0
8

Agora que o Verão vai entrar no seu apogeu, que as praias pedem o corpo mais à mostra, mais exposto, é tempo de cuidar da figura, de perder aqueles excessos de gordura que causam os pneus na cintura, a barriga mais saliente, o pescoço mais largo e flácido… 

Faz já bastantes esforços e os resultados são insatisfatórios? Eis uma lista das situações mais clássicas que impedem que o ponteiro da balança se desloque para o lado bom.

Os objectivos que pretende atingir são razoáveis?

Não pensem que poderemos ter, todos, a figura esbelta dos modelos das revistas de modas, seja feminina ou masculina. Não fomos programados para sermos, assim, tão magros e, passar fome, também não vai modificar a nossa silhueta. É importante aprender a aceitar-se e a fixar objectivos realistas. Não queira perder quilos em excesso, porque não o irá conseguir no curto prazo. A primeira coisa a aprender, nisto de querer emagrecer, é ser razoável e realista.

Não acumule frustrações

Quanto mais draconiano for o seu regime, mais difícil será segui-lo a longo prazo e levá-lo a bom termo. Se está continuamente a impor privações a si mesmo, vai acumular frustrações e, ao fim de algum tempo, irá sucumbir e arruinar todos os seus esforços. Uma perda de peso demora tempo. É preciso estabelecer um longo programa cujo objectivo não é de o frustrar temporariamente, mas de o ensinar a comer de forma moderada e equilibrada durante todo o ano.

O seu pequeno-almoço é suficiente e equilibrado?

Um grande erro que se comete frequentemente é o de saltar o pequeno-almoço. A primeira refeição do dia deve ser consequente e equilibrada para permitir que se aguente durante toda a manhã e chegar à hora do almoço sem ter muita fome. Porque, quanto mais fome tiver ao almoço, mais irá comer em quantidade, negligenciando a qualidade do que come. Por esta mesma razão, também, o almoço deve ser suficientemente consequente. Comer uma salada verde ao almoço, sem mais nada, é ter a certeza de grande fome nas horas que se seguem.

Atenção à composição do pequeno-almoço. Evitem as pastelarias, os folhados tipo “croissant”, as bolachas e os biscoitos industriais, ricos em ácidos gordos saturados. Dêem preferência aos produtos leiteiros, pouco gordos, ou aos derivados de soja, aos cereais e pão integral, e aos frutos. 

Evitar as bebidas açucaradas

Gasosas, sumos de frutas, xaropes, águas aromatizadas, etc. Todas as bebidas açucaradas devem ser evitadas. Elas trazem as chamadas calorias vazias ou ocas, quer dizer, calorias que não têm qualquer interesse nutricional, mas que se vão juntar ao seu número de calorias quotidianas e vão impedir de perder peso.

Evitem as bebidas “light” porque elas têm o inconveniente de manter o gosto pelo açucarado.

Não coma muito depressa

Dê tempo para comer. Coma tranquilamente, de preferência num local calmo, sem grandes ruídos e não se deixe distrair pela televisão. É comendo com calma e lentamente que se apreendem os sinais de fome e de saciedade, indispensáveis para regular o apetite.

As suas saladas são verdadeiramente ligeiras?

Comer saladas de qualquer género, em particular de alface, permite aligeirar as refeições. Mas atenção, pois quanto mais há salada, mais molhos há.

Do mesmo modo, para que as saladas se mantenham leves, deve evitar-se a adição de guarnições: um pouco de fiambre, mais um pouco de queijo, uns frutos secos e o que era leve torna-se numa verdadeira salada gulosa.

Pratica actividade física suficiente?

A actividade física deve fazer parte integrante de todos os programas que visam a perda de peso. Para a saúde em geral, uma sessão de actividade desportiva três vezes por semana é o ideal. Só ou em grupo é primordial que se mexa com regularidade. E não se esqueça que tudo vai somando ao longo do dia: suba as escadas em vez de esperar pelo ascensor, pratique jardinagem, ande a pé e porque não ir dançar?

 

 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO