Programa Revive Quartel do Carmo deverá ser colocado a concurso até ao final do ano

0
8
DR

O Quartel do Carmo será um dos edifícios que, até ao final do ano, deverá ser colocado a concurso, no âmbito do programa Revive. O anúncio foi feito pelo presidente da Câmara Municipal da Horta, no de-correr da sua intervenção nas comemorações dos 125 anos da Câmara do Comércio e Indústria da Horta (CCIH).

No âmbito do programa Revive, o Quartel do Carmo está entre os edifícios que, deverão ser colocados a concurso até ao final do ano, revelou José Leonardo Silva, na passada sexta-feira, na sessão solene de aniversário da CCIH.
Na sua intervenção, o presidente da Câmara destacou a importância que tem a reabilitação deste edifício no contexto do crescimento do turismo, na ilha do Faial.
No entender de José Leonardo Silva, “este será mais um investimento que consolida, certamente, a oferta turística da ilha do Faial e que deverá ser mais um motivo para continuarmos a reivindicar mais e melhores acessibilidades para a ilha do Faial e para os Açores”.
A este respeito, também o deputado faialense na República, João Castro se manifestou “entusiasmado” com o anúncio feito, no Parlamento, pelo mistro Adjunto e da Economia de que “pretende efetivar o lançamento de mais seis concursos do programa Revive, que visa a valorização de edifí-cios com elevado valor patrimonial e cultural, entre eles o Quartel do Carmo, na Horta”.
“São boas notícias para o Faial, para os Açores e para Portugal”, afirmou o deputado do PS.
Para João Castro esta iniciativa vem ao encontro do esforço de recupera-ção da Igreja do Carmo, fechada há mais de vinte anos, e que tem mobili-zado as forças vivas e a população local no sentido da sua reabilitação e salvaguarda do seu espólio e revela-se de muito positiva na medida em que para além de recuperar um imóvel em elevado estado de degradação e “que faz parte da história da ilha” poderá dar mais um “importante impulso ao turismo do Faial, criando uma unidade de excelência.
“O imóvel situa-se num planalto da cidade, de onde se vislumbram esplên-didas vistas sobre o casario e sobre o porto, tendo como horizonte o oceano e a silhueta da Ilha do Pico”, relembra João Castro, revelando que se trata de um potencial que está desperdiçado. 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO