PS/Faial questiona autarquia quanto aos impactos da crise mundial na economia Faialense

0
37
blank

Os Vereadores do Partido Socialista na Câmara Municipal da Horta questionaram esta quinta-feira o executivo quanto às consequências que a atual crise mundial poderá representar para a economia faialense, perguntando, nesse sentido, “se estão a ser pensadas medidas que possam mitigar o seu efeito”.

Segundo José Leonardo, “a atual situação que vivemos, ainda em cenário de Covid-19, apesar de muitos preferirem continuar a dizer que estamos já num período pós pandemia, a que se juntou o cenário de guerra provocado pela invasão da Rússia à Ucrânia, fez aumentar as nossas preocupações quanto ao futuro, sendo tempo de acautelar as possíveis consequências que possam daí advir”.

Nesse sentido, e identificando a possível recessão que se prevê, mas também os eventuais impactos que os pequenos empresários faialenses poderão vir a sentir, bem como a generalidade dos cidadãos com o aumento do preço dos produtos que consomem diariamente, os socialistas questionaram o executivo, sobre o impacto que se prevê no dia a dia dos Faialenses.

A esse propósito, os socialistas relembraram algumas das medidas propostas pelo PS/Faial, e que já haviam sido apresentadas no âmbito do Plano e Orçamento do Município para 2022, nomeadamente “a retoma da campanha ‘Aposte Local, compre no Faial’, à qual poderão alterar a designação, mas que no fundo seria uma excelente ajuda para muitos pequenos empresários da ilha”.

Na ocasião, os socialistas do Faial propuseram ainda “a isenção de taxas e licenças, até ao final do ano, de forma a ajudar as empresas locais a recuperar do interregno que ainda sentem pelo confinamento passado e com a situação que se vive atualmente, de crise mundial e que abrangerá o nosso arquipélago a curto prazo”, porque, conforme asseguram, “devemos estar todos concentrados na busca por melhores soluções que permitam aos Faialenses ultrapassar os imprevistos que ainda possam surgir, uma vez que o próprio confinamento deteriorou a tesouraria de muitas PME’s, que ainda estão em fase de recuperação, sendo, por isso, toda a ajuda necessária”.