Região “tudo fez” para que a Delta Airlines não descontinuasse a operação entre Nova Iorque e Ponta Delgada

0
16
DR

A Secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo salientou que a Região, nomeadamente através da entidade regional responsável pela promoção turística, “tudo fez” para que a Delta Airlines não descontinuasse a ligação para os Açores.

Marta Guerreiro afirmou que “é importante ressalvar que a decisão de interrupção da ligação para os Açores da Delta Airlines não se tratou de um problema de falta de investimento em promoção, nem de notoriedade do mercado, como a própria Delta vincou”.

Segundo a governante, “os eventos onde a Região, através da ATA, tem estado presente denotam isso mesmo, com o aumento do interesse e notoriedade do destino”, pelo que aqueles que mencionam a falta de promoção, desconhecem por completo, ou pretendem desvalorizar, o que tem sido feito nessa matéria.

“Apesar de taxas de ocupação acima dos 80%, a Delta alega que a rentabilidade da operação se encontra abaixo das operações que tem e, portanto, decidiu descontinuar a mesma”, referiu.

“Perante este facto, naturalmente, estamos já a reagir e interessa continuar a investir na notoriedade da Região neste mercado e noutros”, reforçou.

Marta Guerreiro referiu que “esta não é uma notícia que gostássemos de ter” e afirmou acreditar no continuado empenho que os empresários e o Executivo têm demonstrado para fazer crescer o setor do turismo, dando nota também dos indicadores extremamente exagerados mencionados pela Câmara de Comércio e Indústria de Ponta Delgada (CCIPD) relativos a esta operação face à realidade, que também desvaloriza a grande fatia de turistas norte-americanos que chegam aos Açores por outras companhias.

Estes dados avançados pela CCIPD apresentam erros grosseiros nos números de passageiros transportados, estadas médias e empolamento de gastos médios, para além de partirem do pressuposto errado de que não serão compensados com recurso a novas operações em resultado do aturado e permanente trabalho de contactos com operadores interessados no destino Açores.

Por exemplo, relativamente ao mercado norte-americano, a titular da pasta do Turismo afirmou a existência de “companhias e operadores a olhar para os Açores com bastante interesse e que veem, com a saída da Delta, um espaço de entrada, onde vamos, naturalmente, investir e trabalhar”.

A Secretária Regional destacou ainda os concursos públicos já lançados de promoção em diversos mercados, como é o caso de Espanha e do Canadá, para além de ser publicado quinta-feira um concurso público para promoção dos Açores junto do Reino Unido e, logo depois, outro para a Alemanha, já com alguns operadores interessados, para além de outros em desenvolvimento, para mercados como França e Itália.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO