Santa Catarina lança primeira conserva de atum maturado em Portugal

0
33
DR
DR

Por: Santa Catarina – Indústria Conserveira, SA

As Conservas Santa Catarina, apresentam a nova marca Mestre Saúl, a primeira conserva premium portuguesa de atum maturado, criada em homenagem a Mestre Saúl Casimiro, homem de grande saber na arte das conservas, cujo contributo foi determinante para Santa Catarina na elaboração de um produto único.
Mestre Saúl é a primeira marca portuguesa que entra no segmento das conservas de atum maturado, uma nova tendência da produção conserveira e que vem dar resposta aos consumidores mais exigentes, que procuram produtos selecionados e exclusivos para uma experiência de degustação diferente.
Para a elaboração das conservas Mestre Saúl, o filete de atum selecionado é “sabiamente” manipulado, de acordo com as técnicas ancestrais de curar o peixe em conserva e mantém-se em maturação mais de um ano em lata até estar pronto para ser consumido. O processo de maturação serve para agregar sabor sem intervir no ingrediente principal, ou seja, o atum. Este, transforma-se com o tempo, as fibras ficam mais macias e o sabor mais suave e delicado. O atum maturado é degustado e apreciado no melhor estádio de conservação, sendo uma celebração do melhor atum dos Açores, fazendo jus ao mote da Mestre Saúl, “As coisas boas fazem-se esperar”.
A nova marca foi apresentada hoje, dia 4 de setembro, numa cerimónia realizada no supermercado do El Corte Inglês, em Lisboa, que contou com a presença do Ministro do Mar, Ricardo Serrão Santos, o Senhor Secretário Regional do Mar, Ciência e Tecnologia, Gui Menezes, o presidente da Conserveira Santa Catarina, Rogério Veiros, o diretor-geral do El Corte Inglés, Enrique Hidalgo e o presidente da ANICP – Associação Nacional dos Industriais de Conservas de Peixe, José Maria Freitas.
Para apoiar o lançamento da campanha e para promover a marca e o produto, haverá um espaço promocional exclusivo Mestre Saúl nos supermercados do El Corte Inglés.
Quem é o Mestre Saúl Casimiro?
Nascido em 1918 no Algarve, desde muito jovem que Saúl Casimiro se dedicou à arte das conservas. Homem simples, mas de fortes convicções, sabia que só preparando o melhor atum ainda fresco, cozendo-o apenas em salmoura, conseguiria manter todas as qualidades nutritivas e toda a frescura.
Em 1955, Saúl Casimiro foi convidado a trazer o saber para a ilha de São Jorge, nos Açores, onde encontrou a matéria-prima que sonhava: o melhor atum fresco. Aqui permaneceu até ao fim da vida, dedicado a cumprir uma missão: produzir as melhores conservas de atum do mundo.
Através de um método simples e artesanal, que passou de geração em geração, é graças a Mestre Saúl Casimiro, que hoje chega às nossas mesas o melhor sabor do mar dos Açores, numa lata de conserva da marca com o nome do conserveiro.
Tal como Santa Catarina, Mestre Saúl assume um compromisso com a sustentabilidade, ostentando nas embalagens os seguintes selos:
– Friend Of The Sea, certificado de produção sustentável
– Açores Certificado pela Natureza, comprova a origem do produto
– Pesca salto e vara, informa da pesca artesanal que respeita o meio ambiente
– Dolphin Safe, traduz o respeito pelos golfinhos e pelo ecossistema marinho
– Laborado Manualmente, produção artesanal
– Conservas de Portugal, selo atribuído pela ANICP que certifica que a produção é nacional e que tem assinalável incorporação de valor acrescentado.
Vamos conservar o que é nosso
O lançamento da marca Mestre Saúl é o melhor exemplo da renovação a que se está a assistir no sector das conservas em Portugal, o qual tem, neste momento em curso a campanha “Vamos conservar o que é nosso”, promovida pela ANICP.
Esta campanha da ANICP tem o objetivo de sensibilizar os portugueses para a qualidade e versatilidade das conservas nacionais e, assim, promover o consumo do que é produzido em Portugal.
A campanha é, também, uma forma de alavancar e valorizar a fileira da pesca, apresentando as conservas como exemplo distintivo de tradição e excelência da indústria da nacional, representado no símbolo “Conservas de Portugal”.
Sobre a Santa Catarina – Açores
A fábrica Santa Catarina fica localizada à beira mar, na Fajã Grande da vila da Calheta, na ilha de São Jorge, do arquipélago dos Açores. É uma empresa que se dedica exclusivamente ao fabrico de conservas de atum, que prima pela qualidade, aliando a tecnologia aos ancestrais métodos artesanais, sendo a fábrica, atualmente, a principal empregadora da ilha de São Jorge, com 139 colaboradores. As conservas Santa Catarina são feitas com atum pescado através do método salto e vara (pesca artesanal com cana), selecionando os melhores espécimes, salvaguardando a preservação da espécie e respeitando o ecossistema marinho, protegendo os golfinhos, o que lhe valeu por parte da organização não governamental Earth Island Institute as certificações “Dolphin Safe” e “Friend of the sea”, sendo a primeira em Portugal a obter estes galardões; um verdadeiro exemplo de sustentabilidade. A marca além de ter ganho o prémio das conservas mais sustentáveis do mundo, outorgado pela Greenpeace, é multipremiada pelos respetivos produtos e tem hoje visibilidade nas principais mercearias finas. Santa Catarina exporta 40% da produção, em que Inglaterra e Itália representam metade das vendas anuais. A marca está a entrar no mercado asiático e já introduziu conservas Santa Catarina em Macau e no Japão.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO