Temporada Cultural 2021 com concertos de Rui Baeta no Faial, Flores e Graciosa

0
8

A Secretaria Regional da Cultura, da Ciência e Transição Digital promove, nos dias 13, 15 e 20 de outubro, nas ilhas do Faial, Flores e Graciosa, respetivamente, a realização de três concertos pelo barítono Rui Baeta com vários grupos corais Açorianos, no âmbito da Temporada Cultural 2021.

O primeiro acontece esta quarta-feira, dia 13 de outubro, pelas 21h30, na Igreja Matriz do Santíssimo Salvador, na Horta, em que Rui Baeta será acompanhado pelo trompetista André Nunes e pelo pianista/organista Francisco Rocha, com a participação do Coro de Santa Catarina, o Grupo Coral da Horta e os coros paroquiais da ilha.

O concerto decorre na semana das festividades de Santa Cecília, patrona dos músicos, momento celebrado pelos locais, com a realização de eventos musicais, desfiles de filarmónicas, em conjunto com os grupos folclóricos.

Nas Flores o concerto é a 15 de outubro, pelas 21h00, na Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição, em Santa Cruz das Flores. Na ilha Graciosa, a 20 de outubro, pelas 21h00, no Centro Cultural de Santa Cruz da Graciosa.

Rui Baeta, natural de Faro, licenciado em Canto pela Escola Superior de Música de Lisboa, estudou com o professor Luís Madureiro e com os pianistas Nuno Vieira de Almeida e Olga Prats, entre outros, tendo colaborado como coralista e cantor solista durante cerca de 10 anos no Conservatório Nacional de Lisboa.

Frequentou diversas instituições como a Fondation Hindemith, na Suíça, a Academie Francis Poulenc, em França, com François LeRoux, e a Mozarteum Akademie, na Áustria, com Richard Miller.

Em 1999 arrecadou o 1.º Prémio do Concurso RDP Jovens Músicos na classe de Música de Câmara, com o pianista Paulo Pacheco; realizou diversos recitais e concertos em Portugal e no estrangeiro e colaborou com variadas orquestras, como a Nacional do Porto, a de Cascais e Oeiras, a Orquestra Clássica do Sul, Orquestra das Beiras, a Camerata de Lyon e o Ensemble D’Arcos, Sinfónica Portuguesa, Orquestra Metropolitana de Lisboa e a Orquestra da Fundação Calouste Gulbenkian.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO