Transmaçor brinca aos horários, com o aval do Governo Regional

0
15

Todos os anos assistimos às mesmas brincadeiras.

Todos os anos sofremos com as brincadeiras de sempre.

Todos os anos a Transmaçor apresenta, para conhecimento / aprovação os horários ao Governo Regional.

Todos os anos a Transmaçor brinca com os horários, ora antecipa 15 minutos uma viagem, ora atrasa 15 minutos outra viagem.

Todos os anos a Transmaçor apresenta diversos horários para a curta e única Época Alta de Verão que nós temos.

Todos os anos a Transmaçor apresenta os horários de Verão atrasados, em cima da hora.

Todos os anos o Governo Regional nada faz, tudo aprova, e deixa andar este fado que a todos nós prejudica.

Até quando teremos que aceitar estas brincadeiras de uma empresa com o aval do Governo Regional, e na qual é accionista?

 

O JOGO DO EMPURRA

Todos nós sabemos que o Canal Faial-Pico é aquele que mais passageiros movimenta via marítima, motivo suficientemente forte para que merecesse mais atenção e respeito, quer por parte da empresa responsável por tais ligações em regime de monopólio, quer por parte do Governo Regional e da Secretaria Regional da Economia que tutela este sector.

Nada disto se tem verificado, nos últimos anos.

Os Horários não são feitos para servir os clientes, seja a população residente, seja a flutuante, quer na área turística, quer na área dos negócios.

Os Horários são feitos por forma a satisfazerem o princípio legitimo de uma empresa privada, que é o lucro, diminuindo os custos de pessoal e com os combustíveis.

Os Horários contam com a conivência da tutela do Governo Regional que há muito se desvia da responsabilidade e das obrigações deste serviço público, uma forma confortável de não comparticipar com indemnizações compensatórias.

No Grupo Central, no Triângulo e mais precisamente no Canal Faial-Pico, onde efectivamente se gera tráfego marítimo de passageiros relevante, o Governo Regional não impõe um serviço de qualidade com regularidade, porque não quer pagar esse serviço.

Contudo, esse mesmo governo regional gasta milhões, todos os anos, para sustentar um serviço regional de transporte marítimo de passageiros que, apesar da larga oferta de ligações e lugares disponíveis, regista taxas de ocupação insustentáveis.

Até quando todos os açorianos vão pagar este luxo?

 

BRINCADEIRA

O principal voo Ponta Delgada – Lisboa, há décadas que mantém o horário das 21H30.

As principais viagens de comboio da CP Lisboa – Porto – Lisboa há décadas que mantém os mesmos horários.

O mesmo se passa com os comboios sub-urbanos de Lisboa e Porto, e com as travessias do Tejo.

Por aqui, todos os anos se inventa o há muito inventado, procurando a criatividade de horários que ora antecipam, ora atrasam as ligações marítimas.

Se esta não é uma brincadeira de mau gosto, então como poderá ser classificada?

Só se for de irresponsabilidade de uma empresa e de uma tutela que deveria estar mais preocupada com o nosso desempeno económico.

Uns anos uns perdem a ligação marítima, noutros anos ficamos todos nós a aguardar as publicações dos horários, para planearmos a nossa agenda, seja local, seja dos operadores turísticos, que se vêem impedidos de criar, promover e vender atempadamente os pacotes turísticos.

 

AUSCULTAÇÃO

O mais caricato, é que todos os anos promovem a auscultação aos diversos parceiros das suas opiniões, críticas e sugestões de horários para os próximos anos…

Pura farsa, para inglês ver, já que, todos os anos, o resultado é o mesmo.

Fica ao critério da empresa, com a conivência da tutela – o Secretario Regional da Economia.

Lamenta-se que se repitam, todos os anos, tais procedimentos, sem qualquer benefício para os clientes que utilizam esta frequente ligação marítima entre estas duas ilhas, as mais próximas do arquipélago.

E depois, os socialistas ficam muito indignados, e acusam-nos de bairristas e divisionistas quando afirmamos: Se fosse entre São Miguel e Santa Maria, claro que não assistiríamos, todos os anos, a este triste fado.

E se não acreditam, dêem-se ao incómodo de consultar os clientes e os operadores turísticos, que logo ouvirão a mesma receita, que todos os anos acaba por ficar na… gaveta!

 

PROPOSTA

Há muito que se consultaram os operadores turísticos, há muito que se consultaram as Associações Comerciais, há muito que se reuniram com todos os interessados, e a receita é sempre a mesma:

Ligações articuladas com os transportes aéreos, única forma dos aeroportos do Pico e do Faial serem considerados e utilizados como complementares.

Ligações mais frequentes, assumindo uma verdadeira ponte marítima entre estas duas ilhas irmãs, com partidas de 2 em 2 horas.

É fácil, e é a única maneira de assumirmos um produto turístico que é complementar.

Ligações às mesmas horas, de Verão e Inverno, claro que alargadas no Verão, com a ligação das 20H e às 22H em Julho e Agosto, para que se possa ir jantar à outra margem, seja ela o Faial, seja o Pico.

Mas nada!…

Continua-se a aguardar melhores dias…, com a paciência, a educação e a divisão reconhecida às gentes do Triângulo!

E como diz o povo, ou vai melhorar ou piorar…, agora com a aquisição da maioria do capital social da Transmaçor por… 3 (três) euros!

Do Pico, passou para São Jorge, e agora a Transmaçor vai até Ponta Delgada…

Espero, sinceramente, que o Governo tenha a inteligência de nomear para o seu Conselho de Administração, gentes do Canal, com experiência de mar, e que conheçam, sintam e vivam esta problemática do nosso dia a dia.

Ficamos, mais uma vez, à espera!

Horta, 23JUN11

 

Contributos, para

[email protected]