Veleiro “Moby” ruma ao Canadá

0
7

O pequeno veleiro não tripulado, “Moby”, lançado ao mar na costa do Faial há um mês, encontra-se a cerca de 700 milhas da ilha do Faial, em direção ao Canadá, revelou fonte da organização.

Segundo Carla Gomes, responsável pelo ‘Oceans On’, um dos parceiros do projeto ‘Leva Portugal ao Mundo’, o pequeno “Moby”, encontra-se atualmente “mais ou menos a meio caminho entre os Açores e a Terra Nova, no Canadá”, revelou.
“Nota-se que o Moby está claramente sobre a influência dos ventos e do anticiclone dos Açores”, explicou Carla Gomes, que a partir de um computador consegue seguir o percurso da pequena embarcação que tem instalado a bordo um aparelho de GPS, que indica permanentemente a sua posição.
De acordo com a mesma fonte, no final da passada semana a embarcação seguia em linha reta, a cerca de 700 milhas da marina da Horta, mas já percorreu mais milhas”, lembrando que o desafio lançado aos alunos das escolas envolvidas foi o de “tentar descobrir agora quantas milhas o barco já percorreu, ao longo do seu percurso”.
Carla Gomes revelou ainda que, apesar do “Moby”, estar a seguir para norte, rumo à Terra Nova,  “existe um grau de imprevisibilidade muito grande” em relação ao local onde o barco poderá vir a dar à costa, já que está apenas dependente dos ventos e das correntes marítimas.
O “Moby” foi um dos primeiros veleiros portugueses a ser lançado ao mar, no âmbito do projeto educativo  “Leva Portugal ao Mundo” que tem como coordenador nacional a Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental, em parceria com Instituto Superior Técnico (centros de investigação ISR e MARETEC). 
Nos Açores o projeto é coordenado pelo Oceans-on® em parceria com a Câmara Municipal da Horta, com a colaboração do Clube Naval da Horta e de várias empresas locais, foi construído e decorado por alunos da Casa de Infância de Santo António, do Clube do Mar da Escola Básica Integrada da Horta e da Escola Profissional da Horta e integra ainda regata internacional promovida pelo projeto educativo norte-americano ‘Educational Passages’, em que participam vários países do Arco Atlântico.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO