Vem depressa Pai Natal

0
10

 

Ó “Jesus Rei Universal”

Peço-te com muito respeito

O subsídio de “Férias e Natal” 

Dava-nos imenso jeito

 

Foi um dado adquirido

Já com longa tradição

Agora já foi perdido

Isto é uma maldição

 

Eu levanto este véu 

Temos que tomar decisões

Não vai ter direito ao céu

Quem faz estas maldições

 

Isto foi uma cilada

Feita por gente instruída

Deixando dos pobres sem nada 

Nem sequer Direito á vida

 

Foi tal pecado mortal

Cometido na Assembleia

Ficando o nosso Portugal

Governando por mão alheia

 

Tanta gente de má fé 

Tem do nosso Portugal

Lá esquecem o Pobre Zé

Para este só vem o mal

 

Deixam-nos desiludidos 

Com esta má situação

Ficando eles absolvidos 

Quem fez esta maldição

 

Foi tudo por água abaixo

O que o Salazar poupou

De tanto rapar no taxo

Nem o taxão escapou

 

Ó meu Jesus puríssimo 

Nós estamos desgraçados

Uns são filhos legítimos

E nós outros enteados

 

Nada podemos fazer

Só temos que lamentar

Eles só pensam em comer

Beber, mentir e enganar

 

Lá vai o Zé que é Réu

Levado nestas cantigas

E se não ganhar o céu

Apanha Duas espigas

 

Ó meus divino Salvador

Fazei à vossa cabeça

Nós te pedimos senhor

Que isto não aconteça?

 

Dos políticos nem falar

Eles são como a cegonha

Por causa do bem estar

Perderam toda a vergonha

 

E eles é que são respeitados

São os grandes da Nação

Pelos párocos são convidados

A fazer parte na procissão

 

Quando vão nas Procissões

Eu acho muita piada

Vão aqueles espertalhões

Só a carregar papada

 

É só de brandar aos Céus

Eles lá andam na luta

Eles são filhos de Deus

E nós os filhos de…

 

A Nação está muito fria

Mas eu não fui o culpado

Quem teceu toda a teia

É quem irá ser julgado

 

Vou dar a terminação

E termino muito bem

Sempre à disposição

Não devo nada a ninguém

 

A todos muito obrigado

Juntem-se vocês a mim

Já quem nos tem governado

Não pode dizer assim!…

 

Eu tenho cá uma ideia

E serve bem de solução

Levem-me para a cadeia

Há tantos que para lá vão

 

A prisão é um Hotel

As refeições vêm do Barão

Têm direito a lua-de-mel

Desporto e televisão

 

António Caetano – Cascalho – Cedros 



 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO