A amizade, irmã da morte. A alegria de quem se cruza no tempo com pessoas excecionais

0
48
DR/TI
DR/TI

No dia 8 de fevereiro, logo de manhã, recebi a notícia da morte de Zuraida Soares. E eu, que quase dormia na banalidade dos afazeres domésticos, subitamente desperta, com a voz embargada, escolhendo as palavras que doíam e não sabiam expressar a tristeza imensa que senti naquele momento. Sabia da doença, dessa tecedeira de raízes que se dissemina pela carne, mas tínhamo-nos encontrado várias vezes por aí, nos últimos tempos, e a vida manifestava-se no seu grande sorriso, no abraço firme, autêntico e forte, vibrava nas palavras de amizade, na disponibilidade com que acolhia todos os projetos, se dava aos outro.

Este conteúdo é Exclusivo para Assinantes

Por favor Entre para Desbloquear os conteúdos Premium ou Faça a Sua Assinatura

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO

Por favor escreva o seu comentário!
Por favor coloque o seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!