A Caça-Submarina

0
17

Era ainda um jovem quando me vi nesta situação. Na ilha do Corvo, eu e uns amigos tínhamos decidido ir fazer caça-submarina. Entrámos na Praia da Areia e nadámos para norte. Quando estávamos precisamente numa zona chamada Cabeço do Xavier, hoje classificada como Rede Natura 2000, um lírio com 4 ou cinco quilos aproximou-se de mim. Para mim, jovem citadino, aquele era o maior peixe! Hoje sei que os lírios podem ter até cerca de 50 quilos. Aquele estava, portanto, longe de ser um grande exemplar, mas, naquele momento era mesmo “o peixe!” pai e avô de todos os outros peixes.

Olhei para os meus colegas de caça e eles, a pouca distância, esbracejavam indicando claramente que eu devia disparar. A arma tinha os elásticos esticados e eu podia disparar a qualquer momento. Nem tive que mergulhar. Bastou apontar a arma e carregar no gatilho. O peixe arpoado partiu o cabo e caiu para o fundo nadando naquela que para si seria a derradeira espiral.

Antes de o ir recolher, detive-me a olhar para o peixe cuja curiosidade tinha sido por mim compensada com a sua morte. Senti-me mal. Continuei a fazer companhia aos meus colegas de mergulho, mas aquela seria para mim a última vez que caçaria por prazer.

Depois disso, por razões profissionais, tive que “fixar” (termo chique que os cientistas usam para dizer “matar”) muitos animais e plantas. Também, para alimentação, fiz mais uma vez ou outra caça-submarina. Não me dá qualquer prazer e, cada vez que o faço, interrogo-me se é realmente necessário retirar a vida daquele organismo em particular.

De um modo mais geral, hoje, pragmaticamente, entendo que a caça-submarina é um desporto exigente e compensador. Dado o tempo que se passa dentro de água, a caça permite uma boa adaptação ao meio e o estudo detalhado do comportamento animal. Ao mesmo tempo, não entendo como há pessoas que são capazes de desrespeitar a lei, nomeadamente, apanhando mais animais do que a lei permite, desrespeitando as espécies protegidas ou caçando em zonas classificadas por razões de conservação da natureza. Nutro, portanto, uma relação de amor-ódio por esta atividade.

Para se poder caçar é necessário ter mais de 16 anos, uma licença em dia e válida para o local em causa e equipamento de sinalização (para não ser atropelado por uma qualquer embarcação). Reforçando a necessidade de segurança do caçador, é necessário ter em atenção que, em caso de acidente, haverá, eventualmente, outras pessoas envolvidas no salvamento e, algumas delas, poderão também arriscar a sua própria vida. O meu conselho é que os interessados na atividade leiam alguma literatura sobre a temática e frequentem os clubes navais. Mesmo que não haja cursos formais de caça ou apneia, os clubes são excelentes polos para aprender as regras e as manhas desta interessantíssima atividade.

Ao final da tarde, num qualquer recanto costeiro dos Açores, é possível sentir o cheiro de uma veja grelhada ao ar livre. O adivinhar do sabor e a antecipação da companhia é das boas memórias que um dia levaremos desta vida… e tudo pode ter começado numa bela tarde de caça-submarina.