Apenas uma escola dos Açores não iniciou aulas à distância em modo síncrono

0
463

A Escola Secundária Dr. Manuel de Arriaga, na Horta, foi a única nos Açores que não arrancou ainda com as aulas à distância em modo síncrono, no âmbito da pandemia de covid-19, revelou hoje o diretor regional da Educação.

“Penso que será caso único na região, pelo conhecimento que tenho das outras escolas, que já começaram com este trabalho”, admitiu Rodrigo Reis, em declarações à agência Lusa, adiantando que a razão para esta escola estar “mais atrasada” tem a ver, sobretudo, com o “tempo muito curto” que os estabelecimentos de ensino tiveram para organizarem o ensino à distância no arquipélago.

O diretor regional da Educação ressalvou que esta situação pontual não resulta de “falta de organização”, nem da falta de empenho dos professores, recordando que as aulas à distância “já são uma realidade em toda a região” e que a Escola Secundária Manuel de Arriaga só não iniciou as aulas em modo síncrono.

Numa carta enviada aos professores, o Conselho Executivo da Escola Manuel de Arriaga justificou este adiamento com atrasos na organização da plataforma de acesso digital, bem como a demora na obtenção de computadores de empréstimo para alguns alunos.

“Em virtude do atraso verificado na organização da plataforma de comunicação SGE/Teams e no processo de obtenção de equipamentos para empréstimo dos alunos, determina-se o adiamento do início das sessões síncronas para data a indicar quando estiverem reunidas as condições necessárias”, pode ler-se no ofício a que a Lusa teve cesso.

Confrontado com esta questão, o presidente do conselho executivo daquele estabelecimento de ensino, Pedro Medeiros, diz que a escola vai necessitar de “mais uns dias para resolver este problema”.

“Estamos a otimizar a plataforma naquilo que é o que permite, de forma segura, a comunicação entre o professor e os seus alunos. Este é um processo que está a ser agilizado e que o prevemos que, a breve trecho, esteja a funcionar”, justificou o docente.

As aulas do 3.º período nos estabelecimentos de ensino dos Açores arrancaram esta semana, de forma não presencial, com recurso a plataformas de comunicação, embora nem todas tenham conseguido instalar os sistemas de ensino síncronos, que permitem uma maior interação entre os professores e os alunos.

 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO