APPAA questiona Governo sobre falta de vigilância da Lagoa do Fogo

0
65
blank

Associação para a Promoção e Proteção Ambiental dos Açores – APPAA

A Associação para a Promoção e Proteção Ambiental dos Açores – APPAA alertou há menos
de um mês para a necessidade de limpeza e segurança dos espaços naturais.
É motivo de congratulação a decisão que foi tomada pelo Governo Regional, em encontro com autarcas, de aumentar significativamente a verba atribuída ao poder local para dispor de meios de limpeza. Como se alertou, a segurança e limpeza destes locais exige a colaboração das várias entidades.

A APPAA insiste no alerta e enviou ao Presidente do Governo Regional dos Açores alguns
pedidos de esclarecimentos sobre factos mais recentes que causam perplexidade e preocupação. A falta de vigilância e de critério de gestão estarão na origem de situações insólitas.

Como é sabido, está interdita a utilização de barcos com motor nas Lagoas da Furnas e Sete Cidades. Na Reserva Natural da Lagoa do Fogo é interdita a prática de quaisquer atividades náuticas e mesmo nadar, ou tomar banho. Como se explica a utilização de uma embarcação com motor nesta Lagoa, como as imagens documentam?

Há décadas, quando ainda não havia a noção das consequências que provocariam as espécies exóticas no nosso meio natural, foram introduzidas espécies carnívoras de peixes de água doce, nas lagoas das Sete Cidades e Furnas. O desequilíbrio que provocou, com a proliferação destas espécies e a diminuição das espécies herbívoras contribuíram para o avanço da eutrofização destas lagoas. Passados todos estes anos, como se explica a introdução de uma espécie carnívora, bastante voraz, como é o caso do Achigã, peixe com origem no norte dos Estados Unidos e sul do Canadá nas águas da Lagoa do Fogo?

A Secretaria Regional do Ambiente e Alterações Climáticas apresentou publicamente a
alteração ao projeto de ordenamento do miradouro mais visitado da Lagoa do Fogo. Esse
projeto permitirá a presença de técnicos capacitados para a informação, a vigilância e o
aconselhamento dos visitantes. Ao mesmo tempo irá trazer maior disciplina no estacionamento de pessoas e veículos e a limitação da circulação dos visitantes, evitando o pisoteio das espécies vegetais nativas e endémicas.

O atraso na concretização do projeto tem mantido o descontrolo neste local da encosta norte, à semelhança do acesso pela encosta sul. Qual a razão para a total falta de controlo neste local e que permite o acesso dos visitantes a locais como as cumeeiras anexas ao miradouro, com a criação de um caminho provocado pelo pisoteio de cada vez maior número de pessoas?

A APPAA deseja rápida capacidade de resposta às questões levantadas, de forma a ultrapassar estes atentados à lei que protege a Lagoa do Fogo como Reserva Natural.