Autárquicas 2013 – PSD/Faial avança em coligação com CDS-PP e PPM

0
6

Na corrida à Câmara Municipal da Horta (CMH), o candidato do PSD/Faial, Luís Garcia, decidiu unir esforços ao CDS-PP e ao PPM. O acordo autárquico “Pela Nossa Terra” é o rosto de uma estratégia que Garcia classifica de “aberta, mobilizadora e agregadora” e segue na linha do que os social-democratas já apresentaram para outras autarquias da Região, nomeadamente Angra do Heroísmo, onde PSD e CDS-PP surgem coligados.

Garcia concorre com o CDS e com o PPM mas sem Jorge Costa Pereira. O social-democrata que há quatro anos conseguiu conquistar a presidência da Assembleia Municipal fica de fora, devendo ser substituído por um independente.

O acordo autárquico entre PSD, CDS e PPM foi apresentado pelo líder da candidatura à CMH, Luís Garcia, esta manhã. A abertura dos social-democratas a outras forças políticas para as eleições de outubro não é novidade, já que em Angra do Heroísmo, na Terceira, já era conhecida a união entre PSD e CDS, com a candidatura do social-democrata António Ventura à Câmara e do popular Artur Lima à Assembleia Municipal.

Luís Garcia justifica esta decisão com um intuito de oferecer “uma alternativa abrangente e inclusiva” a 24 anos de governação socialista na CMH: “liderar para mim também significa saber incluir. E a tarefa gigantesca que temos pela frente para revitalizar o Faial é por demais importante e difícil para que nos possamos dar ao luxo de excluir alguém. Pela nossa terra, pelo Faial, todos somos poucos e todos somos necessários”, disse.

Em comum PSD, CDS e PPM têm o diagnóstico que fazem à situação autárquica da ilha. Um poder autárquico esgotado e submisso aos interesses partidários é o que as três forças políticas encontram na Horta, por isso, diz Garcia, neste combate o partidarismo fica para segundo plano: “não estou minimamente preocupado com o PSD, ou com qualquer partido. Estou preocupado com a nossa terra”, referiu.

A coligação entre os três partidos abrange as candidaturas à Câmara, à Assembleia Municipal e às Assembleias de Freguesia. À semelhança do que aconteceu há quatro anos, também nestas autárquicas o PSD quer abrir-se aos cidadãos independentes. Neste cenário, o líder da candidatura laranja adiantou que o candidato à presidência da Assembleia Municipal será um independente, indicado pelo PSD. Desta forma, está descartada a recandidatura de Jorge Costa Pereira, social-democrata que há quatro anos derrotou o socialista Renato Leal e garantiu a presidência da Assembleia Municipal para o PSD. Instado a pronunciar-se sobre as razões que terão levado o PSD a fazer outra escolha apesar dos bons resultados em 2009, Luís Garcia justifica a decisão com a vontade de “dar outra abrangência” e renovação à candidatura.

Recorde-se que há quatro anos, na Horta, o PSD, então liderado pelo independente Paulo Oliveira, somou  3447 votos, menos 389 que o PS de João Castro, que ganhou as eleições por maioria absoluta. Nesse ano, a candidatura do CDS-PP foi liderada por Alexandre Martins Carvalho e conseguiu 105 votos, ao passo que o PPM não apresentou candidato. 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO