BTL 2014 – Produtos açorianos em destaque

0
7
Para profissionais até à tarde de dia 14 e para todos pelo fim-de-semana fora, a BTL – Feira Internacional de Turismo, em Lisboa, assumiu-se mais uma vez como uma montra de destaque para o turismo dos Açores, com a Região a marcar presença como destino nacional convidado.
Mais de 50 produtos de todas as ilhas açorianas estiveram em destaque no certame, numa aposta de divulgação da produção local levada a cabo pelo Governo dos Açores através da Sociedade para o Desenvolvimento Empresarial dos Açores (SDEA), em parceria com a Câmara do Comércio e Indústria dos Açores (CCIA). Nesta mostra foram promovidos os produtos agroalimentares e as flores da Região, com especial realce nos produtos com maior capacidade exportadora.
Nesta 26.ª edição da BTL foi reforçada a estratégia de promoção global da região convidada. No espaço Açores marcou presença a promoção do artesanato regional e foram lançados novos produtos, como é o caso do Lajido Doce, pela Cooperativa Vitivinícola da Ilha do Pico. Houve diversos momentos de degustações com os produtos regionais com o objetivo de demonstrar a qualidade da produção açoriana e manter um contacto direto com o público consumidor na BTL.
 
Região deve utilizar eventos para captar fluxos turísticos
A principal reunião do setor turístico em Portugal serviu ainda para anunciar os vários eventos que os Açores vão receber ao longo de 2014, de caracter mundial: a etapa do Red Bull Cliff Diving, o SATA Rallye Açores, duas provas do Mundial de Windsurf, o Campeonato do Mundo de Surf e o Eurosurf.
No entender de Vítor Fraga, secretário regional do Turismo e Transportes, estes devem ser aproveitados como elementos fundamentais para a captação de fluxos turísticos para a Região.Esta ideia foi transmitida pelo governante durante o anúncio de que os Açores vão receber, pelo terceiro ano consecutivo, uma etapa do Red Bull Cliff Diving World Series.
Vitor Fraga considerou que a realização deste evento no arquipélago representa “uma aposta do Governo dos Açores em termos de continuidade”, permitindo consolidar os eventos e tirar o verdadeiro partido destas ações.
Neste contexto deixou um desafio aos parceiros do setor privado para que “utilizem todos estes eventos que a Região irá desenvolver no decorrer deste ano para os terem devidamente programados” nas suas atividades e deles tirarem o melhor proveito.
 
Grande potencialidade de oferta turística do Triângulo deve ser aproveitada 
Também a Câmara do Comércio e Indústria da Horta (CCIH) marcou presença nesta BTL. Carlos Morais, tesoureiro da instituição, salientou a importância da presença açoriana no certame, defendendo que, como diz o ditado, “quem não é visto não é lembrado”.
O tesoureiro da CCIH gostou do que viu no que à estrutura da nova estrutura diz respeito. Este ano o pavilhão dos Açores deu especial destaque aos rallies da Região e ao conceito de turismo sustentável, com a promoção das energias alternativas onde marcou presença a EDA. Carlos Morais lembra, no entanto, que “não estamos só a promover carros e energias alternativas”. 
Entendendo o conceito escolhido, considerou que é necessário “promover as outras coisas, que até estão bem integradas essencialmente a demonstração multimédia que é feita ao longo do pavilhão” esclareceu. 
Em relação ao turismo, Morais referiu que ao contrário do esperado 2013 até foi um bom ano em termos turísticos quer ao nível da hotelaria, da restauração quer ao nível dos que prestam serviços aos turistas. “Neste espirito penso que 2014 não será pior e as espectativas são idênticas ou se calhar até melhores”, referiu.
 O representante da CCIH entende que a segurança que o destino Açores oferece é um dos trunfos a explorar: “há alguns problemas em África e no Médio Oriente que poderão trazer turistas ao Açores, uma vez que não têm de se preocupar com as questões de segurança e isso é o que nós temos e vendemos e não tem preço. Esta questão é extremamente importante para o turista, aliada àquilo que de melhor temos e que é importante: o bem receber”, diz.
Para Carlos Morais é importante também que a promoção turística dos Açores tenha em conta as potencialidades de todas as ilhas. O empresário não duvida das potencialidades do Triângulo, mas lembra que é preciso criar condições atrativas do ponto de vista do transporte aéreo.
 
Açores estão mais representados no verdadeiro sentido da palavra e não por ilhas
O novo conceito de promoção utilizado pelos Açores, nesta edição da BTL, não convenceu o vice-presidente da Câmara Municipal da Horta, e responsável pelo setor do turismo no município. Em termos de pavilhão, Luís Botelho considerou que o arquipélago está bem representado, na medida em que “trazem duas mais importantes características da Região, a pedra basalto e a criptoméria. Interiormente o espaço está bem concebido em termos de imagem através da projeção de imagens da Região dando uma envolvência a quem está dentro do pavilhão”.
Já no que à divulgação e promoção diz respeito, o edil refere que “os Açores parecem estar mais representados no verdadeiro sentido da palavra Açores e não por ilhas. É uma opção nesta edição, por parte da ATA, no entanto o importante é que as pessoas procurando informação ilha a ilha a encontrem”, defendeu.
Luís Botelho lembrou que em edições anteriores os empresários marcavam presença e havia divisões por municípios e por ilhas, que permitiam que os particulares estivessem mais representados ao nível da restauração e da animação turística, e as ilhas melhor identificadas o que dava aos turista uma maior noção de para onde vai, que tipo de animação pode encontrar e o que pode fazer em cada uma das ilhas.
O vice-presidente deixou claro que a CMH quer ser parceiro ativo no que ao turismo do Faial diz respeito e promete ajudar a criar condições para que os agentes turísticos possam exercer a sua atividade de forma mais salutar.
Para Botelho, é fundamental quebrar a sazonalidade, através da realização de eventos que tragam gente ao Faial. “Temos efetivamente que maximizar a época alta reduzindo a sazonalidade, procurando fazer eventos”, referiu, exemplificando com as jornadas pedagógicas de educação ambiental que recentemente decorreram na ilha. 
 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO