Cartas de um jovem irrequieto: Só diplomas não bastam

0
327
blank
Miguel Duarte site

Miguel Duarte

Estudante do 1.º ano de Economia no ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa

A aceitação da decadência ou o sentimento de impotência perante a mesma pode ser o estado de espírito de muitos açorianos e faialenses. Se é inevitável, o resultado dos tempos, em que tudo é demasiado pequeno para um mundo tão grande, isso não sei. Mas sei que não podemos ultrapassar a insularidade apenas apostando no saudosismo de quem para fora foi, no turismo, nos hotéis de luxo, nos serviços públicos e em impostos baixos.
Na área social – da qual a economia faz parte, mas já tão pouco lhe diz -, o crescimento baseado apenas no turismo reflete primordialmente esta nova corrente que tem vindo a tomar. Sim, ela irá crescer, o PIB e as estatísticas de investimento também, mas com salários mínimos e trabalhos sazonais, que aos nossos jovens licenciados pouco dizem, senão nada.

Este conteúdo é Exclusivo para Assinantes

Por favor Entre para Desbloquear os conteúdos Premium ou Faça a Sua Assinatura