CGTP-IN/Açores entrega petição na ALRAA – Sindicato quer aumento do Acréscimo Regional à Retribuição Mínima Mensal Garantida

0
22
Na passada quarta feira, dia 29 de outubro, a CGTP-IN/Açores deu uma conferência de imprensa, na União de Sindicatos da Horta, para apresentar as conclusões das reuniões da Comissão Coordenadora, que decorreram nos dois dias anteriores.
Nestas reuniões foi debatida a situação social e económica e analisada a realidade laboral da Região.

A CGTP-IN/Açores considerou “fundamental a defesa das funções sociais do estado, nomeadamente a saúde, educação e segurança social, bem como os serviços públicos, e combate veementemente a tendência desenfreada para as privatizações de empresas estratégicas”.

A taxa de desemprego no arquipélago açoriano “é mais elevada do que a média nacional, já de si elevada”, disse a CGTP-IN/Açores, considerando que “a taxa real de desemprego é muito superior aos 16%” oficiais.
A CGTP-IN/Açores frisou ainda a elevada incidência do Salário Mínimo Nacional na Região, considerando que só com o aumento dos salários haverá uma maior justiça e deste modo, a se poder criar mais e melhor emprego de forma a proporcionar o desenvolvimento económico e social.

O Movimento Sindical Unitário dos Açores afirma que o Acréscimo Regional ao Salário Mínimo Nacional tem sido um instrumento “para minorar as dificuldades dos açorianos”, considerando “que o acréscimo de 5% não seja suficiente para assegurar condições de vida dignas a quem trabalha”.

Desta forma, no próximo dia 3 de novembro, a CGTP-IN/Açores entregará uma Petição, à Presidente da Assembleia Legislativa Regional, com o objetivo de aumentar de 5% para 7,5% o Acréscimo Regional à Retribuição Mínima Mensal Garan-tida Esta petição, que tinha por meta 2000 assinaturas, já conta com o maior número de assinaturas de sempre.
Ainda no dia 13 de novembro, o Movimento Sindical Unitário Açoriano alia-se à CGTP-IN/Açores na realização de uma jornada nacional de luta, ocorrendo dezenas de plenários sindicais, por todo o arquipélago, em vários locais de trabalho, tanto no setor público, como no privado. Esta jornada, que mobilizará a sociedade açoriana, tem como objetivo preparar outras iniciativas a realizar, consoante a vontade dos trabalhadores.