Cidade da Horta acolhe mesa redonda sobre a igualdade

0
6
DR

A Direção Regional da Solidariedade Social organizou a iniciativa “Violência Género: Diferentes Latitudes de uma Problemática” que decorreu na passada segunda-feira no Salão Nobre nos Paços do Concelho, com a intenção de combater e prevenir a violência

Decorreu na passada segunda-feira, dia 23 de outubro, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, uma Mesa Redonda sobre o tema “Violência de Género: Diferentes Latitudes de uma problemática”, promovida pela Direção Regional da Solidariedade Social no âmbito do II Plano Regional de Combate e Prevenção à Violência e de Género, em parceria com a Câmara Municipal da Horta (CMH) e com o Pólo Operacional de Apoio Integrado à Mulher em Situação de Risco do Faial.
Esta iniciativa contou com a participação de imigrantes de referência no nosso meio que partilharam as suas perceções sobre violência de género conforme as várias culturas. Foi também abordado o impacto da violência na família e a desmistificação de mitos associados ao tema.
Para corresponder com a importância crescente na sociedade dos princípios de igualdade, cidadania e não discriminação, a CMH definiu várias estratégias de combate às desigualdades e discriminações. Segundo recordou a Vereadora da CMH, “têm-se concretizado iniciativas concretas nesta matéria, desde 2013, muitas delas em parceria com entidades locais, nomeadamente com o ISSA, através do Pólo Operacional de Apoio Integrado à Mulher em Situação de Risco do Faial”.
Carla Mourão, Conselheira Municipal para a Igualdade, considera que “o facto de haver um dia instituído pelo Município para se falar de igualdade e discriminação é um passo para alertar e sensibilizar a comunidade para estas temáticas e contribuir para que tenhamos uma comunidade mais aberta, informada, mais igual e menos discriminatória.”
Com a instituição do Conselheiro Municipal para a igualdade pelo o Município há 3 anos, muito foi alcançado e mudado e a CMH acabou por ser distinguida com uma menção honrosa atribuída pela Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género em 2016.
“O paradigma alterou-se nestes três anos. Estamos a trabalhar estruturalmente e a levar por diante iniciativas transversais à sociedade e com isso a garantir que a mensagem chega a todos”, frisou Carla Mourão.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO