Cientistas descobrem fonte Hidrotermal junto à ponta da Espalamaca

0
11

 

Uma nova fonte hidrotermal de pequena profundidade foi descoberta por Cientistas do Departamento de Oceanografia e Pescas (DOP) da Universidade dos Açores a 500 metros da costa da ilha do Faial.

Pedro Afonso, biólogo Investigador do DOP, fez esta descoberta ocasionalmente enquanto mergulhava entre 30 e 40 metros de profundidade, a sul da Ponta da Espalamaca.

A zona de libertação de gases é perfeitamente visível, segundo o Investigador salientando que esta pequena fonte hidrotermal fica situada ao longo da crista submarina que liga o morro da Espalamaca aos ilhéus da Madalena.

Ainda são desconhecidos que tipo de gases estão a ser libertados naquela zona, embora as características dos vapores e das bolhas de água indiquem que possa tratar-se de dióxido de carbono, afirmou o investigador, acrescentando que os cientistas da Universidade dos Açores estão agora a tentar "caracterizá-lo".

Os investigadores da universidade aproveitaram a realização de um seminário sobre aplicações científicas de tecnologia marinha, que reuniu na Horta cerca de 30 estudantes de doutoramento em representação de 13 institutos europeus e canadianos, para tentar descobrir mais pormenores sobre esta recente descoberta.

No quadro deste encontro, integrado no programa ‘Marie Curie Research Training Network FREEsubNET’, será utilizado para o estudo das fontes hidrotermais, neste caso de baixa profundidade, um veículo não tripulado, controlado à distância, mas sem ‘cordão umbilical’, criado por investigadores da Universidade de Girona, em Espanha.

O Departamento de Oceanografia e Pescas da Universidade dos Açores tem tido um papel importante na investigação das fontes hidrotermais de grande profundidade situadas ao largo das ilhas dos Açores.

No caso da fonte hidrotermal de baixa profundidade agora descoberta, os cientistas já encontraram várias bactérias no local, mas ainda não tiveram oportunidade de as estudar aprofundadamente para determinar se há alguma "especificidade biológica associada".

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO