Comissão Europeia aprova ajustamentos ao caderno de especificações do Mel dos Açores DOP

0
11
DR

A Comissão Europeia aprovou um conjunto de pequenos ajustamentos propostos pela Região ao caderno de especificações do Mel dos Açores classificado com Denominação de Origem Protegida (DOP), numa decisão que vai ao encontro das pretensões dos apicultores açorianos.

Entre as alterações introduzidas está a caraterização através de parâmetros mensuráveis do mel de incenso e do mel multiflora, como seja o teor de sacarose e de água, por exemplo.

Para além disso, procedeu-se à simplificação e clarificação do texto do caderno de especificações, bem como passou a ser permitido embalar mel em frasco de vidro transparente até um quilo, quando anteriormente apenas eram permitidos 250 ou 500 gramas.

O mel de incenso produz-se desde 1 de fevereiro até 30 de abril, sendo obtido na cresta que se efetua no final da floração, enquanto o mel multifloral se produz durante todo o ano, sendo obtido na cresta que se poderá efetuar desde 1 de abril a 31 de outubro.

Esta alteração ao caderno de especificações do Mel dos Açores DOP é uma das ações prevista no Plano Estratégico para a Apicultura nos Açores, já apresentado publicamente, que procura dar resposta às necessidades do setor que se impõem a cada momento, sendo, por isso mesmo, um processo em contínua evolução.

Ainda esta semana será publicado em Jornal Oficial o despacho que cria o grupo operacional com vista ao acompanhamento do Plano Estratégico para a Apicultura nos Açores, que será constituído por seis elementos, nomeadamente um membro do Gabinete do Secretário Regional da Agricultura e Florestas, o Diretor Regional da Agricultura, um membro do agrupamento Gestor da DOP “Mel dos Açores”, um membro da CASERMEL – Cooperativa de Apicultores e Sericultores de São Miguel, um membro da Federação Agrícola dos Açores e um membro da Universidade dos Açores.

Este plano, elaborado por um grupo de trabalho tendo como horizonte temporal uma década, tem como grande objetivo tornar o setor apícola mais forte, melhor organizado, que gere mais rendimento e que seja mais sustentável.

A apicultura desempenha um papel muito importante para o setor agrícola pelo contributo das abelhas enquanto polinizadoras naturais, o que contribui para aumentar a rentabilidade das explorações, mas também na polinização de outras plantas, preservando-as e, consequentemente, dando um contributo para o equilíbrio do ecossistema e a manutenção da biodiversidade.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO