Comunistas insulares exigem retoma das Jornadas Parlamentares Atlânticas

0
8

O PCP Açores e o PCP Madeira apresentaram hoje, 12 de janeiro, em simultâneo, propostas para que as Jornadas Parlamentares Atlânticas sejam retomadas. O último encontro dos representantes da Macaronésia aconteceu em 2006, na ilha de Porto Santo.

Aníbal Pires, deputado eleito pelo PCP para a Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores (ALRAA), anunciou hoje na Horta, o desejo e a apresentação de uma proposta a ALRAA para que a Jornadas Parlamentares Atlânticas(JPA) se voltem a realizar. Com isso, e em parceria com o PCP Madeira, pretende que se possam voltar a discutir perspetivas e oportunidades de cooperação e desenvolvimento entre os arquipélagos da Macaronésia, ou seja os arquipélagos dos  Açores, Madeira, Canárias e Cabo Verde.

Esta proposta foi arquitetada em conjunto pelas representações comunistas dos dois arquipélagos em novembro último, no Funchal, durante o Congresso do PCP Madeira.

“Questões tão centrais como o desenvolvimento económico em contexto insular, a agricultura, o turismo, o aproveitamento das zonas marinhas e a proteção dos oceanos e da biodiversidade, migrações, transportes, ciências e tecnologia poderão ser algumas das áreas em que é possível desenvolver projetos de cooperação” referiu o líder do PCP/Açores, justificando a importância de existência de uma nova edição das JPA.

Outro argumento utilizado por Aníbal Pires foi o facto de acreditar continuar “a existir a necessidade de explorar as potencialidades da cooperação no âmbito da Macaronésia”.

A concluir, o deputado comunista reforçou a necessidade de recuperarem as JPA pois assim haverá espaço para “a aproximação e para o diálogo entre os povos dos Açores, Madeira, Canárias e Cabo Verde, no contexto de uma relação histórica, política, económica, social e afetiva, consolidando uma relação de amizade e cooperação”.

A PCP já deu entrada ao requerimento para apresentação desta proposta que deverá ser debatida no parlamento açoriano durante o mês de fevereiro.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO