Drones a fiscalizar pescas e monitorizar o ambiente marinho açoriano

0
17

O Governo regional está a realizar testes com drones para serem futuramente utilizados na fiscalização das pescas e monotorização do ambiente marinho no arquipélago dos Açores. As primeiras experiências, que começaram  terça-feira, 7 de abril, estão a decorrer no porto Comprido, localizado junto do Vulcão dos Capelinhos.

As primeiras experiências foram apresentadas a uma delegação de deputados da Comissão das Pescas do Parlamento Europeu que se encontra na ilha para participar nos XXII Encontros Filosóficos, promovido pela Escola Secundária Manuel de Arriaga.

Ao longo de 2015 as restantes ilhas dos Açores vão receber estes testes, enquadrados na estratégia assumida pelo executivo açoriano de dotar a Inspeção Regional das Pescas de meios avançados , tecnologicamente falando, que sirvam para melhorar a operacionalidade de atuação no terreno. Todo o projeto é liderado pela inspeção regional, em colaboração com a Autoridade Marítima e a GNR, em parceria com a portuguesa Tekever.

O secretário regional do Mar, Ciência e Tecnologia esteve de visita ao local no dia 8 de abril e aproveitou a ocasião para reforçar a “importância crescente”dos veículos aéreos não tripulados para a fiscalização e vigilância da Zona Económica Exclusiva  (ZEE) dos Açores.

Nas palavras de Fausto Brito e Abreu, “o desempenho de um sistema aéreo não tripulado constitui uma mais-valia determinante, e mais vantajosa do ponto de vista de custos operacionais, para o sucesso deste tipo de missões, quando comparado com a utilização apenas dos meios navais e aéreos tradicionais”.

As ações de fiscalização marítima no momento presente são articuladas entre o Governo regional, a Polícia Marítima, a Marinha e a Guarda Nacional Republicana (GNR), e devido à grande dimensão da ZEE açoriana impõe-se a utilizam de outros meios que sirvam de apoio e aumento da capacidade de resposta e de supervisão. 

Atualmente está em cima da mesa uma candidatura , da Inspeção Regional das Pescas e da Tekever, ao programa European Economic Area Grants (EEA Grants) que servirá para adaptar estes sistemas aéreos não tripulados, leia-se drones, em missões a que se propõe na região. Esta proposta tem um prazo de execução máximo de um ano e meio

 Das operações planeadas encontra-se a vigilância das atividades pesqueiras em zonas protegidas; deteção e monitorização de desastres ambientais em meio marítimo; suporte a estudos científicos, como o controlo de parâmetros do ar ou da água do mar, ou deteção e monitorização de migrações de fauna; acrescendo-se operações de investigação do meio marinho através da recolha de dados experimentais obtidos através de sensores instalados no mar.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO