Fábrica de Espectáculos

0
100

 A afirmação é de Paulo Silva, director da Fábrica de Espectáculos (FDE), com sede em Ponta Delgada, na ilha de S. Miguel.

Tribuna das Ilhas quis saber tudo sobre esta empresa vocacionada para produzir e realizar espectáculos, que está no terreno açoriano há oito anos. Assim sendo, Paulo Silva contou-nos que “a Fábrica de Espectáculos nasceu com a necessidade que o próprio mercado tinha em apresentar espectáculos com diversidade, qualidade e inovação”. O director acrescenta ainda que a “FDE é a única empresa na Região com sede própria, com as portas abertas das 9H00 às 18H00 e que produz nas 9 ilhas, Continente e África”.

De todos os eventos realizados, que foram mais de 100, Paulo Silva destaca os concertos de “Vanessa da Mata, Daniela Mercury, Fáfa de Belém, Ivete Sangalo, Gipsy Kings, La Frontera, Julio Iglesias, Marylion, Joaquim Cortez, Irmãos Verdades, James, Guru Josh Project, Yves Larock, Gary Nesta Pine, 2 Brother’s of Soul e That Kid Chris”.

A música nacional não é esquecida pela empresa de Paulo Silva, sendo que os açorianos já tiveram a oportunidade de ver e ouvir, pela FDE, vozes como “Rui Veleso, Pedro Abrunhosa, Luis Represas, Lúcia Moniz, Dulce Pontes, Idolos, Taxi, Blasted Mechanism, Da Weasel, Xutos & Pontapés, Nigga Poison, Pedro Khima, 4 Taste, Squeeze Theeze Please, Xaile, Finger Tips, Corvos, Ez Special, D’zrt, Mundo Secreto, Souls of Fire, Monte Lunai e Rita Red Shoes”.

Mas não só na música a Fábrica de Espectáculos tem oferecido cartazes aos açorianos. Assim sendo, é de realçar os eventos de moda já decorridos, tais como “Moda Açores, Fashion Tv Party, Fashion’scret – Woman’secrest e a apresentação da marca de roupa

Italiana Fracomina”.

A animação tem um cariz muito permanente na FDE, sendo que Paulo Silva disse-nos que a mesma dispõe de “um vasto leque de artistas para animação de rua, dance performer’s e dj’s nacionais e internacionais”.

Além de todas as áreas já referidas, a FDE também não esquece a gastronomia. “Na área da gastronomia, já produzimos e realizamos três festivais de com a presença de 12 restaurantes do Norte a Sul do País e ilhas.”

Quando questionado sobre os eventos marcados para este ano, o director da FDE disse que têm “muitos já agendados de produção própria e em parceria ou produção directa para as autarquias, mas ainda não é o momento indicado para avançar nomes. Porém, podemos garantir que vamos ter bons nomes do panorama nacional e internacional”.

A curiosidade fica mais aguçada ainda para os leitores do Tribuna das Ilhas quando Paulo Silva diz que a FDE tem “garantidamente mais do que um espectáculo que irá movimentar principalmente a juventude açoreana, mas o timing não é o indicado para apresentar o mesmo”.

Quanto à importância de uma empresa deste género nos Açores, o director afirma que esta assume um importante papel e isto porque “tem que se oferecer mais cultura, mais espectáculo, mais produções. Os açorianos merecem ser tratados como pessoas de primeira; viver nos Açores não pode ser sinónimo de não poder assistir aos maiores eventos feitos em qualquer outra parte do mundo”, esclarece. O director da FDE continuou o discurso dizendo que “por outro lado, se queremos uma região virada para o turismo, que seja atractiva, dinâmica e que possa receber as pessoas que nos visitem com eventos fortes no panorama nacional e mesmo internacional, temos de ter empresas e autarquias e o Governo a remar todos para o mesmo lado”.

Paulo Silva disse ainda que “infelizmente, nos Açores, as pessoas pensam que produzir e realizar espectáculos é fácil, é barato e dá milhões e que qualquer um o faz. Mas não é bem assim, e por isso a maior parte das empresas acaba por fechar depois do primeiro evento”.

Na opinião do director, “para mudar esta situação é preciso, por um lado, ter o apoio de todos, do Governo, das autarquias e das empresas, e por outro das pessoas, do público em geral”. Paulo Silva finaliza dizendo que “tem que se ter mais a consciência que os eventos têm de passar a ter bilheteira, para podermos ter mais qualidade na produção dos mesmos”.

 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO