Faialense Jácome Armas recebe a distinção Dinamarquesa GeniusPrize

0
12

Jácome Armas, jovem conselheiro natural do Faial, foi distinguido com o GeniusPrize, um dos prémios de maior prestígio jornalístico científico na Dinamarca.

O prémio será entregue no próximo dia 22 de junho numa cerimónia oficial.

O prémio, atribuído pela Associação de Jornalistas Científicos Dinamarqueses criada em 1976, é de caráter não anual e distingue, desde 1996, mediante nomeação, as individualidades ou os media cujo contributo é essencial para a comunicação da ciência.

Por ter criado e estabelecido o Science and Cocktails (http://www.scienceandcocktails.org), o faialense de apenas 28 anos, acrescenta este honroso reconhecimento público ao seu extenso e diversificado currículo nacional e internacional.

Jácome Armas tem 28 anos e é natural da Horta, ilha do Faial, de onde saiu há 10 anos para estudar Engenharia Física na Universidade de Aveiro.

Ao abrigo do programa Erasmus, partiu rumo à Irlanda para estudar Física Teórica durante um ano no Trinity College de Dublin.

Após ter terminado a licenciatura, esteve em Inglaterra para completar o mestrado em Estudos Avançados em Matemática na Universidade de Cambrigde na Inglaterra.

Terminou recentemente o doutoramento em Buracos Negros no Instituto Niels Bohr de Astronomia e Física em Copenhaga, capital da Dinamarca e mudou-se agora para a Suíça onde irá colaborar com o grupo de Física Teórica da Universidade de Berna e com o do CERN, que tem o maior acelerador de partículas.

O mais novo e recente conselheiro da Rede Prestige Azores continua a manter uma forte ligação com o Arquipélago, tanto por questões familiares, como pela presença em alguns projetos como é o caso da sua ligação ao jornal Fazendo e a participação no projeto “O Experimentar Na M’Incomoda”.

Voltar aos Açores definitivamente é algo que não está nos planos deste jovem que no entanto vem à sua terra natal com frequência e diz-nos que “quando vou normalmente é porque tenho alguma coisa a fazer (concertos ou outros projectos) ou porque vou visitar a família porque os Açores não estão desenvolvidos em nenhuma das frentes sobre as quais eu trabalho e experimento, isto é, em termos de física teórica, não existem instituições nos açores. Em termos artísticos, para além de os meios serem poucos, não há público.”

Jácome Armas está, neste momento em Bern no Instituto Albert Einstein onde vai continuar a investigação.

Recentemente fez parte da iniciativa ”Ciência e Cocktails”  que consiste numa série de palestras científicas que decorrem em conjunto com um performance de arte digital.  A popularidade deste evento tem vindo a crescer e, muito recentemente, contou com a participação do cientista americano Michael Shermer que se deslocou pro bono até Copenhaga para ministrar uma palestra.

 

Está a compilar um livro de entrevistas a físicos teóricos sobre diversas teorias de gravidade quântica.