Faleceu Fernando Melo

0
64

Faleceu ontem, dia 13 de Abril, em Lisboa, onde se encontrava hospitalizado, o Professor Fernando Melo. Homem do ensino, da literatura e do jornalismo, foi um dos fundadores da cooperativa cultural IAIC e do semanário Tribuna das Ilhas.

Fernando Melo nasceu na freguesia de São João do Pico, em 1932. Veio para o Faial para frequentar o liceu e, mais tarde, ingressou a Escola do Magistério Primário da Horta. Aos 20 anos iniciou a sua carreira de professor.

Mais tarde entrou para os quadros da Escola do Magistério Primário da Horta como professor de Didáctica.

Depois do 25 de Abril, em 1976, foi secretário da Vogalia da Educação da Junta Regional dos Açores e, mais tarde, coordenador da Telescola e delegado do Centro de Apoio Tecnológico à Educação para as ilhas do Faial, Pico, Flores e Corvo.

O seu gosto pelas palavras manifestou-se cedo e acompanhou-o ao longo de toda a sua vida. Publicou alguns trabalhos literários em jornais locais, principalmente poesia, e é autor de dois livros. O primeiro “Fragmentos da Memória”, foi publicado em 1993. Seguiu-se “A prenda de Natal e outras histórias”, 10 anos depois. Antes de adoecer estava a trabalhar numa terceira publicação.

Todavia, de toda a sua actividade destaca-se o contributo que deu ao jornalismo açoriano. Enquanto jornalista, Fernando Melo fez parte do corpo redactorial do Diário Insular, bem como dos diários faialenses O Telégrafo e Correio da Horta. Colaborou com jornais da Região, do continente e das comunidades portuguesas na América do Norte.

Fernando Melo foi também o primeiro correspondente da RTP/Açores no Faial, iniciando essas funções bem antes da existência de uma delegação da televisão açoriana na ilha. Na altura, ditava os textos informativos por telefone para São Miguel. A sua colaboração com esta estação fez-se nas áreas da Informação e da Produção, estando ligado a vários programas e séries de referência como é o caso de Ilhas de Bruma. Assinou, em conjunto com outros profissionais da televisão regional, produções de carácter cultural e documental de referência dos tempos áureos da RTP/Açores.

Actualmente estava ligado ao semanário faialense Tribuna das Ilhas, na qualidade de editor, tendo sido um dos seus fundadores. Acérrimo defensor da imprensa local, a sua partida deixa mais pobre o jornalismo açoriano.

Fernando Melo será sepultado em Lisboa. Deixa de luto não apenas a sua esposa, os seus dois filhos e os seus netos, mas todos quantos com ele privaram e puderam testemunhar a sua persistência e capacidade de lutar pelas coisas em que verdadeiramente acreditava.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO