Faleceu o primeiro homem que chegou à lua: Neil Armstrong (1930-2012)

0
23

O astronauta Neil Armstrong faleceu em 24 de Agosto de 2012 na sequência de uma pequena intervenção cirúrgica ao coração, efectuada recentemente. Tinha 82 anos. 

Nascera em Wapakoneta, Ohio, USA, em 5 de Agosto de 1930. Era bacharel em Ciências (1955) pela Universidade de Purdue e fora piloto da aviação naval americana entre 1949 e 1952, tendo servido na Guerra da Coreia. Frequentou vários cursos da sua especialidade profissional. 

Em 1855 entrou para piloto de investigação aeronáutica e, em 1962, fez parte do segundo grupo de astronautas recrutados pela NASA. Assim, em 1966 foi o comandante da Gémeos 8 que realizou a primeira atracação de dois veículos espaciais, embora não concretizada plenamente. Mas o seu principal êxito fez-se ao comandar a Apollo 11 que, lançada em 16 de Julho de 1969, depois de percorrer a distância que a separava da Terra, em 20 de Julho de 1969 chegou com ele à Lua, acompanhado de Edwin Aldrin. Enquanto isso, a Nave Espacial, também conhecida por Módulo de Comando, pilotada por Michael Collins andava lentamente em volta da Lua.

Nesse dia, eu estava na cidade de Ponta Delgada, de passagem para Lisboa, onde fui fazer um concurso profissional. Assim, estive toda a noite de ouvido à escuta, ouvindo a reportagem pela rádio (nos Açores não havia ainda televisão), relatada pelo cientista português Ramiro da Fonseca que, servindo-se da televisão e de outros elementos nos informava com grande precisão o que se estava a passar. De manhã, acompanhei a chegada do Módulo Lunar à Lua e, enquanto os astronautas ficaram a repousar cerca de cinco horas, como estava previsto, passei num pequeno avião da SATA do aeródromo de Santana (popularmente conhecido por Aerovacas) para o aeroporto da ilha de Santa Maria. Seguindo num avião da Canadian Pacific de Santa Maria para Lisboa, aí pude ver directamente, pela televisão, o astronauta Neil Amstrong descer as escadas do Módulo Lunar pondo o pé esquerdo na Lua, tendo dito pausadamente em inglês: “É um pequeno passo para um homem; um salto gigantesco para a humanidade”. Depois vimos Aldrin descer as escadas e ambos ficarem aos saltos na areia lunar, onde deixavam as marcas dos seus sapatos. Depois de deixarem na lua uma bandeira americana, uma placa alusiva e um sismógrafo, recolheram amostras lunares e regressaram ao Módulo Lunar.  

Estava cumprida a primeira parte da promessa do falecido Presidente John F. Kennedy (1913-1963), feita no Congresso em 25 de Maio de 1961, quando afirmou que… “esta nação deve comprometer-se a conseguir o objectivo, antes do fim da década, de deslocar um homem na superfície da Lua e trazê-lo de volta à Terra em segurança”. Faltava o regresso à Terra em segurança. 

Depois do Módulo Lunar deixar a Lua e atracar à Nave Espacial ou Módulo de Comando, este fez o regresso à Terra com toda a normalidade, abandonando o Módulo Lunar no espaço. Quando os astronautas chegaram à Terra, entraram em quarentena num laboratório onde passaram duas semanas para disseminar o risco de qualquer micróbio lunar. 

Na ocasião em que o Presidente Kennedy proferiu no Congresso aquele discurso, os soviéticos levavam certo avanço sobre os americanos relativamente à exploração espacial.  

Antes do projecto Apollo, haviam sido desenvolvidos pelos EUA os projectos espaciais Mercury e Gemini, preparatórios daquele. Todos tiveram como director o cientista alemão Wernher von  Braun (1912-1977). Este depois da I Guerra Mundial, havia-se oferecido com o seu pessoal mais próximo às tropas americanas, sabendo que as soviéticas estavam a desmatelar o serviço da Peenemunde (dedicado à construção de foguetes espaciais), que estava dele dependente, levando consigo elevada quantidade do pessoal desse serviço. Com ele levou para os EUA alguns camiões de documentos e cerca de 150 foguetes V2, do género dos que haviam sido utilizados naquele conflito. Refira-se, a propósito, que, antes da Guerra, esses serviços trabalhavam na exploração espacial, mas Adolfo Hitler obrigou-as a trabalhar para aquela Guerra ao serviço das tropas do Eixo. Situação semelhante se passou com o cientista russo Sergei Korolev, que foi obrigado por Jose Stalin a produzir material de guerra para os soviéticos, então  integrados nos  Aliados.

O projecto Apollo, que foi iniciado com um acidente mortal dos astronautas da Apollo 11, quando esta estava em experiências finais, desenvolveu-se quase sempre como estava previsto. Seguindo o êxito da Apollo 11, ainda foram lançadas para a Lua as Apollo 12, 13 (abortada em tempo oportuno sem alunar), 14, l5, 16 e 17 as quais já levaram consigo um veículo (articulado) que os astronautas usaram nas suas deslocações na Lua. Ao todo foram à Lua seis missões tripuladas. 

Depois do projecto Apollo, Von Braun deixou a NASA e foi, em 1972, para director adjunto da Fairchild Industries, onde veio a falecer de câncer no pâncreas em 1977. Era casado com Maria Von Braun e pai de Peter e de Margarit.

Quanto a Neil Armstrong, que detestava as manifestações fantasiosas, depois de ter passado por diversos cargos directivos da especialidade, deixou a NASA, trocando esses cargos pelo lugar de professor de Engenharia Aeroespacial na Universidade de Cincinnati, onde leccionou até 1979. Durante a sua longa e prestigiosa carreira profissional, recebeu várias condecorações e medalhas. 

Esta é a síntese histórica da viagem que imortalizou o astronauta e comandante Neil Armstrong. 

BIBL: “Ensiclopédia Verbo, Luso Brasileira de Cultura”, Edição Século XXI, Vol. 3, p. 275; “Memória de Um Século, A Corrida ao Espaço”, pp. 21 a 89, ed. Selecções do Reader’s Digest. 

 

 

 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO