Governo dos Açores classifica lancha “Espalamaca” como bem móvel de interesse público

0
431
DR- caisdopico.pt

O Governo dos Açores classificou como bem móvel de interesse público a lancha de transporte de passageiros “Espalamaca”, propriedade da Região.

A resolução, aprovada no Conselho do Governo realizado a 24 de maio, em Angra do Heroísmo, foi hoje publicada em Jornal Oficial e entra sábado em vigor.

A classificação da “Espalamaca” teve em conta os critérios previstos em legislação própria relativos “à memória coletiva açoriana”, nomeadamente da população residente no ‘Triângulo’, e o interesse da lancha como “testemunho simbólico de vivências ou factos históricos”.

A lancha “Espalamaca” é fruto da combinação de outras duas lanchas de passageiros – a “Odete” e a “Maria Otília” – que pertenciam à Empresa Açoriana de Navegação e Pescas (EANP) e operavam no ‘Triângulo’ desde o início da década de 20 do século XX.

A fusão das duas embarcações foi realizada em 1944, pelo mestre Manuel Dias Vieira, de São Roque do Pico, tendo permanecido o nome “Maria Otília” e sua matrícula histórica (H-177-TL).

Em 1949, a lancha adquiriu o nome “Espalamaca” e, um ano mais tarde, já na posse da Empresa de Lanchas do Pico (ELP), é sujeita a profundas alterações, da autoria do mestre Manuel José da Silveira “Janeiro”.

A intervenção mais marcante foi levada a cabo pelo mestre Júlio Nunes de Matos, em 1966, e dela resultou uma mudança estética e de racionalização de espaços que perdurou praticamente até ao presente.

Com a nova configuração, a “Espalamaca” passou a ser o ‘navio almirante’ da frota da ELP e, nas palavras de um dos seus famosos mestres, a “Rainha do Canal”.

Navegou como elemento principal da frota da ELP até 1987, altura em que entraram ao serviço o “Cruzeiro das Ilhas” e o “Cruzeiro do Canal”, tendo passado a uma operação de um nível secundário/complementar relativamente a estes navios.

Em 2002, cessou a sua operação de transporte regular de passageiros e foi varada nos estaleiros da Madalena, ficando completamente abandonada e desprotegida até 2014.

Nessa altura, foi contratualizada pelo Governo dos Açores a sua recuperação para fins museológicos, encontrando-se atualmente nos estaleiros de Santo Amaro, na ilha do Pico.

A lancha de transporte de passageiros “Espalamaca”, registada na Capitania do Porto da Horta, sob o número H-177-TL, tem 17,46 metros de comprimento de fora a fora, 4,17 metros de boca, uma arqueação bruta de 33,03 toneladas e propulsão com motor fixo interior.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO