Governo dos Açores formou 8.251 agricultores como aplicadores de produtos fitofarmacêuticos na atual legislatura

0
12
DR/GACS

O Diretor Regional da Agricultura afirmou hoje, em São Miguel, que foram ministrados nesta legislatura 327 cursos de aplicadores de produtos fitofarmacêuticos, que abrangeram 8.251 formandos de todas as ilhas dos Açores, correspondendo a um investimento de 232 mil euros.

“Estes são dados muito relevantes, que traduzem o esforço e o trabalho que tem vindo a ser realizado pelo Governo dos Açores ao nível formativo e de qualificação, sendo certo que, presentemente, estão habilitados como aplicadores de produtos fitofarmacêuticos na Região 12.540 agricultores”, referiu José Élio Ventura.

O Diretor Regional falava depois de ter acompanhado, juntamente com o Presidente da Associação Agrícola de São Miguel, a realização de uma inspeção de equipamentos de aplicação de produtos fitofarmacêuticos, que decorreu nas oficinas desta associação, que é uma entidade parceira do Governo dos Açores na concretização deste processo.

José Élio Ventura adiantou que ao longo desta semana prevê-se que os técnicos da Associação de Produtores Agrícolas de Precisão, entidade nacional certificada para a realização destas inspeções, consigam inspecionar um total de 50 pulverizadores, dando cumprimento à legislação em vigor, que obriga todos os equipamentos de aplicação de produtos fitofarmacêuticos autorizados para uso profissional a serem inspecionados periodicamente.

“O Governo dos Açores teve de recorrer a uma entidade externa para fazer esta tipo de inspeção obrigatória, uma vez que ainda não existe na Região nenhuma entidade certificada para este efeito”, afirmou o Diretor Regional da Agricultura, acrescentando que o Executivo tem vindo a desenvolver todos os esforços para que surja na Região uma entidade devidamente certificada para poder fazer este tipo de inspeção.

Além da ilha de São Miguel, José Élio Ventura assegurou que é intenção do Governo dos Açores alargar a inspeção a equipamentos de aplicação de produtos fitofarmacêuticos a toda a Região.

O Diretor Regional destacou ainda que a realização deste tipo de inspeções corresponde, desde logo, a múltiplos benefícios para os agricultores e para a sociedade em geral, já que permite melhorar a rentabilização dos fatores de produção, evitando gastos excessivos de produtos fitofarmacêuticos, melhorar ao nível da preservação do ambiente e reforçar a segurança alimentar, dando resposta às exigências dos mercados.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO