IL/Açores: “Conflito bélico do Leste europeu é oportunidade para Açores capitalizarem”

0
23
blank
Nuno Barata

O Deputado do Iniciativa Liberal no Parlamento dos Açores, Nuno Barata, considerou, esta quarta-feira, que o conflito bélico em curso no leste europeu “não pode ser uma cortina de fumo” criada pela governação regional “para não fazer as reformas que são precisas”, antes “uma oportunidade” para a reestruturação do tecido empresarial, dos sectores produtivos e para a transição energética.

Intervindo num Debate de Urgência sobre as consequências para a Região da guerra entre a Rússia e a Ucrânia, suscitado pelo PPM, Nuno Barata lamentou que aquele partido que integra a coligação de Governo tenha “encontrado, com este assunto, uma espécie de cortina de fumo, mais uma justificação, a juntar à pandemia, para que se arranje uma desculpa para as tão desejadas reformas que não aparecem; para a centralidade do Parlamento que se apregoa, mas que não existe; para uma série de coisas que foram anunciadas, na campanha eleitoral, por todos as partidos que compõem o Governo e que na prática são diferentes”.

O Deputado Liberal lamentou que o PPM tenha optado por “uma forma antiga, desadequada e vetusta de fazer política”, alegando que esperava que “o PPM promovesse um debate centrado nas adversidades e nas oportunidades que a nossa economia vai sentir nos próximos”, até porque, recordou, “são perante as adversidades que se encontram os grandes heróis e os grandes estadistas”.

Ora, prosseguiu Nuno Barata, “o que os Açores precisam mesmo é de políticos à altura, de grandes estadistas, capazes de enfrentar as adversidades que vamos enfrentar nos próximos”, criticando que, face ao aumento dos combustíveis (primeira grande consequência do conflito), “o Governo não atue”. O liberal lembrou que, “só no último ano, as receitas da Região do Imposto sobre os Produtos Petrolíferos cresceram 8 milhões de euros, cerca de 15%”, mas que “os combustíveis estão a subir e os impostos sobre os combustíveis não estão a descer. As repercussões estão aí e o Governo não atua”.

Para o parlamentar do Iniciativa Liberal nos Açores, “os próximos desafios são hercúleos”, mas a Região tem que ter a capacidade de transformar adversidades em oportunidades, considerando que os próximos tempos “são de novas oportunidades para a nossa indústria de lacticínios, que podem encontrar novos mercados e novas soluções; são de oportunidades para a nossa indústria de conservas de peixe; são de oportunidades para a reestruturação do nosso tecido empresarial. Saibamos aproveitar a emergência destas adversidades e transformá-las em novas oportunidades”.

Finalizando, Nuno Barata salientou ainda a necessidade e oportunidade da transição energética: “Se os estamos perante o aumento dos preços dos combustíveis, temos a obrigação de fazer a transição energética definitivamente. É hora de fazermos o trabalho que temos que fazer. Não vale a pena continuar a construir estas cortinas de fumo. Temos que as abrir, soprar este fumo e encarar com coragem, resiliência, inteligência e criatividade um problema que com que vamos ter que lidar, não sabemos, se por 3 meses, 3 anos ou 10 anos”.