José Carlos Costa apresentou o livro “Paraíso Açórico”

0
4
TI

Foi apresentado no passado dia 29 de Novembro, na Biblioteca Pública e Arquivo e Arquivo Regional João José da Graça, na cidade da Horta, o livro “Paraíso Açórico” do escritor Picoense José Carlos Costa

Na Biblioteca Pública e Arquivo e Arquivo Regional João José da Graça, na cidade da Horta, foi lançado o mais recente livro do escritor Picoense José Carlos Costa intitulado “Paraíso Açórico”. Coube a Victor Rui Dores efetuar essa apresentação, lendo um excerto desse mesmo livro, salientando que “não há livros sem leitores e o leitor é que faz o livro, que o importante é que o livro seja adquirido, pois livros sem leitores são papéis pintados com tinta”.
De seguida, “porque das nove ilhas se trata e há aqui no livro uma clara declaração de amor às nove ilhas dos Açores”, Rui Dores refere-se ao autor como um “impressionista contemplativo”, sendo o livro um testemunho de dedicação, de amor e deslumbramento por cada uma das nove ilhas dos Açores.
“O livro constitui-se como uma viagem pelas ilhas ditas paradisíacas, viagem aqui entendida como uma revelação e forma de procura e de descoberta ou redescoberta de quanto o autor deteta na observação e contato com este arquipélago”, destaca Victor Rui Dores, a propósito do livro em lançamento.
Para o apresentador, este livro constitui-se como uma viagem pelas ilhas, o que significa que o autor, José Carlos Costa é um “homem do emprenho cívico e cidadão da causa pública, e a afirmação inequívoca de uma sensibilidade e de uma verdadeira vocação de estudo e de escrita”.
De acordo com Victor Rui Dores “vivemos numa época em que a poesia não está na moda” pelo que a linguagem poética tem muita dificuldade em competir com outras linguagens, do social, do económico e do político. Por isso, diz, “editar livros é uma actividade de risco em termos financeiros”, sendo fácil editá-los mas muito difícil vendê-los.
Autor de vários livros publicados, de vários géneros, como a “Luz do Basalto” de 2004, “a Viagem do Basalto”, de 2007, “o Milhafre do Arrife” de 2013 ou “A Filha do Milhafre” de 2015, colaborou, ainda, com a Dr.ª Norberta Amorim no Volume I “As famílias da Candelária nos finais do Século XIX: O Pico, abordagem de uma ilha.
José Carlos Costa é, nas palavras do apresentador “um modesto artesão de palavras” e que tal significa que o seu ofício “é delapidar as palavras exatas, únicas e essenciais”. Para o Autor, a poesia não é um ato de vontade, mas de vocação através da qual exprime sentimentos, emoções e estados de alma.
Victor Rui Dores sai da leitura do livro “com os olhos encharcados de tanta luz e de tanta cor, ilustrado de belíssimas fotos de diversos autores”, convidando-nos o autor, no livro, a ver aquilo que muitas vezes olhamos não vemos.
Usando da palavra, José Carlos Costa, começa por enviar “um abraço de basalto” a todos os presentes, agradecendo, de seguida, a todos aqueles que “são os verdadeiros responsáveis por esta obra”.
O autor, picaroto, com este livro, nascido há mais de um ano junto à Cascata da Poça do Bacalhau, nas Lajes da Flores, convida-nos a conhecer todas as fascinantes ilhas dos Açores, deste “Paraíso Açórico” que é descobrir muitas belezas, como miradouros, grutas, montanhas, trilhos, património mundial e gente acolhedora.
“Sirvam-se do livro, porque eu tive o gosto de servir a minha terra”, finalizou José Carlos Costa. 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO