José Leonardo desiludido com a SATA

0
9

Pouco tempo passou desde que, a 29 de março, entrou em vigor o novo regime de Obrigações de Serviço Público para as gateways não liberalizadas no arquipélago dos Açores. Nesse pouco tempo, entre avarias e dificuldades de aterragem, que levaram à recondução de aeronaves que se dirigiam ao aeroporto da Horta para outras ilhas, o descontentamento tem estado em crescendo quanto ao serviço operado pela SATA à população faialense e a quem visita a ilha.

José Leonardo Silva, presidente da Câmara Municipal da Horta (CMH), lembrou ontem, 6 de abril, que nas reuniões que o executivo municipal e a Câmara do Comércio e Indústria da Horta (CCIH) teve com a SATA foi-lhe garantido que iriam se cumprir os serviços determinados e que as exigências feitas por estes organismos públicos tinham sido prontamente aceites.

Para o autarca, a situação atual, “pelo que vivemos nestes primeiros dias” fez com que se percebe-se desde que já que as espectativas saíram goradas pois “a SATA não cumpriu aquilo que estava estipulado”

Perante este cenário José Leonardo afirmou pensar que a companhia aérea açoriana “precisa de alguma reorganização” por forma a conseguir cumprir com os parâmetros descritos no contrato de concessão de serviço público nos voos para o aeroporto da Horta.

“Estamos preocupados com a situação, ainda mais porque quando se melhoram as acessibilidades para todos os Açores, nós neste grupo, no Triângulo, temos mais dificuldades” reforçou o presidente socialista, frisando ainda que “não podemos é ficar para trás na melhoria das acessibilidades”.

Na declaração aos órgãos de comunicação social do Faial foi também avançada a informação de que o município se ia reunir com empresários do setor turístico local e com a CCIH  “para fazermos ver à SATA e ao Governo regional dos Açores quais são as medidas que tem de ser tomadas conforme as nossas espectativas para a época alta”, disse.

“Nós queremos ser parceiros ativos, não só para ser ouvidos, porquê têm obrigação de nos ouvir, mas sermos ouvidos com pretensão das coisas de alterarem e melhorarem” exigiu José Leonardo, para assim se adequar “sua gestão às nossas preocupações”.

Até ao momento não chegou à redação do Tribuna das Ilhas nenhuma nota relativa aos resultados obtidos da reunião anunciada, que decorreu durante o dia de ontem.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO